Início Nacional Covid-19 foi responsável por 95,3% do acréscimo de mortes em Novembro

Covid-19 foi responsável por 95,3% do acréscimo de mortes em Novembro

Mais de 95% do acréscimo de mortes ocorridas em Portugal entre 02 a 29 de Novembro deveu-se a óbitos por covid-19, revelam dados divulgados pelo INE, que tiveram por base a média dos últimos cinco anos.

Nas últimas quatro semanas (2 a 29 de Novembro) registaram-se mais 2.009 óbitos que a média, em período homólogo de 2015-2019, refere o INE, indicando que 1.915 dessas mortes tiveram como causa a covid-19, representando 95,3% do acréscimo observado neste período.

Do total de óbitos desde 2 de Março a 29 de Novembro, 43.600 foram de homens e 44.192 de mulheres, mais 4.742 e 6.034 óbitos, respetivamente, que a média de óbitos no período homólogo de 2015-2019.

Mais de 70% dos óbitos foram de pessoas com idades iguais ou superiores a 75 anos. Comparativamente com a média de óbitos observada no período, morreram mais 9.151 pessoas com 75 e mais anos, das quais mais 6.834 com 85 e mais anos.

Do total de óbitos registados entre 2 de Março e 29 de Novembro, 52.741 ocorreram em hospitais e 35.051 fora do contexto hospitalar, a que correspondem aumentos de 4.231 e 6.545 óbitos, respectivamente, relativamente à média de óbitos em 2015-2019 em período idêntico.

Desde a data em que foram diagnosticados os primeiros casos de covid-19 em Portuga (02 de Março) e 29 de Novembro, registaram-se 87.792 óbitos, mais 10.776 que a média nas semanas homólogas dos últimos cinco anos, 4.505 das quais (41,8%) foram por covid-19, precisam os dados preliminares do Instituto Nacional de Estatística (INE).

O maior acréscimo registou-se na região Norte, com excepção da última semana de Junho, das primeiras de Julho, das últimas de Setembro e primeira de Outubro em que foi superior na Área Metropolitana de Lisboa.

O INE sublinha que “uma das consequências mais dramáticas dos efeitos da pandemia covid-19 diz respeito ao aumento do número total de óbitos”.

“O número de óbitos covid-19 fornece apenas uma medida parcial desses efeitos. Uma medida mais abrangente do impacto na mortalidade pode ser fornecida pela diferença entre o número de óbitos, por todas as causas de morte, em 2020 e a média dos últimos cincos anos (2015-2019), não obstante outros efeitos sobre a mortalidade, como a gripe sazonal e os picos ou ondas de calor ou frio”, refere o INE.

Pub

Leia também

Investigadores de Coimbra ‘preparam’ refeições à base de algas da Figueira da Foz

Algas existentes nos penedos da praia da Tamargueira, em Buarcos, estão na base de um projecto que inclui sopas, pratos salgados e sobremesas, coordenado...

Embarcação a duas milhas da Figueira pede auxílio

Dois tripulantes de embarcações salva-vidas auxiliaram hoje, de madrugada, uma embarcação de recreio “que se encontrava sem propulsão, nas imediações da entrada da barra...

“Casa Aberta” no Posto de Vacinação do Quartel

O Centro de Vacinação Covid-19, em funcionamento no Quartel da GNR, já se encontra de volta ao activo sob o regime de "Casa Aberta"....

Figueira da Foz promove “Lojas com História” nas Jornadas Europeias do Património

O município da Figueira da Foz divulga no fim de semana o projecto local “Comércio com História”, no âmbito das Jornadas Europeias do Património...

Orcas atacam veleiro ao largo da Figueira

Um veleiro de onze metros foi ontem atacado, ao largo da Figueira da Foz, por um grupo de orcas que não provocou feridos ou...