Início Ambiente Associações do Lis e do Baixo Mondego apelam ao uso eficiente da...

Associações do Lis e do Baixo Mondego apelam ao uso eficiente da água

As associações de beneficiários do Vale do Lis, distrito de Leiria, e do Baixo Mondego, encararam como um dos desafios para o futuro o uso eficiente dos recursos hídricos.

Apesar de serem realidades distintas, com culturas e sistemas hidroagrícolas diferentes, as duas associações, que participaram num debate em Coimbra sobre sustentabilidade agro-ambiental e economia circular, afirmaram que um dos desafios para o futuro passa pela gestão racional e eficiente dos recursos hídricos à sua disposição.

Para a Associação de Beneficiários da Obra Hidroagrícola do Baixo Mondego, mais importante do que falar de economia circular naquela área será “incentivar à gestão racional de recursos hídricos num universo de muitos proprietários de minifúndio”, disse o director técnico da entidade, António Russo, que falava à agência Lusa à margem do debate.

“Embora os mananciais de água sejam generosos, tem que se pensar que a água será um recurso limitado mais tarde e tem que ser gerido com parcimónia, num sistema bastante difícil como o Baixo Mondego, em que não há automatizações de fornecimento de água”, vincou.

Para isso, não será necessário criar mais linhas de financiamento, antes mudar a mentalidade das pessoas, de forma que os proprietários aprendam “a usar a água e a estarem despertos para a questão dos recursos hídricos e não pensarem que a escassez só existe no sul”, referiu.


Também a Associação de Regantes e Beneficiários do Vale do Lis assumiu o seu empenho na optimização da água usada para actividades agrícolas naquela bacia, considerando que a obra para a reconversão de parte do regadio do Lis vai também ajudar a gerir melhor esse recurso, afirmou o administrador da entidade, Henrique Damásio.

“Vai cair água em menos tempo e mais quantidade de cada vez e temos que aprender a optimizar o recurso com base nessa nova realidade que não vamos conseguir alterar”, notou, salientando que é necessário evoluir nos métodos de rega no Lis.


Para além disso, Henrique Damásio salientou que, no caso do Vale do Lis, a implementação de uma economia circular “faz sentido”, por ser uma zona densamente povoada, permitindo favorecer “os circuitos curtos de comercialização”, de forma a evitar “que uma alface produzida na zona vá para Lisboa e depois retorne a uma loja em Leiria”, tal como hoje acontece com as cadeias de grande distribuição.

De acordo com o responsável, há também trabalho a fazer no sector da pecuária, nomeadamente através da valorização dos efluentes (resíduos provocados pela actividade), apontando para o exemplo do sector da avicultura, cujos efluentes já são “incorporados nos olivais do Alqueva”.

O debate, intitulado “O regadio e a sustentabilidade agro-ambiental: Economia circular”, decorreu na Escola Superior Agrária de Coimbra.







Pub

Leia também

Distância de dois metros e carros até três pessoas entre novas regras para ensino de condução

As novas regras do ensino da condução no quadro da pandemia de covid-19, publicadas hoje em Diário da República, prevêem um distanciamento...

Mulher com suspeita de infecção fugiu do hospital da Figueira e foi apanhada pela PSP

Uma mulher com suspeitas de infecção pelo novo coronavírus fugiu hoje do Hospital Distrital da Figueira da Foz (HDFF), onde aguardava a...

Incêndios: Todos os distritos em estado de alerta laranja até às 24 horas de amanhã

Todos os distritos de Portugal continental estão em estado de alerta especial laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro,...

Criança testa Covid no 2.º Jardim Escola da Figueira

Um menino, aluno de um jardim-de-infância da Figueira da Foz, testou esta terça-feira positivo para Covid-19, situação que levou ao isolamento de...

Piscinas da Praia de Quiaios já abriram

As piscinas da Praia de Quiaios abriram "cumprindo as normas de segurança recomendadas pelas autoridades de saúde", diz a autarquia local.