Início Local Tribunal de Leiria julga cinco suspeitos de roubo agravado a idosos

Tribunal de Leiria julga cinco suspeitos de roubo agravado a idosos

O Tribunal de Leiria começou hoje a julgar cinco suspeitos de roubo agravado e sequestro agravado, na sequência de alegados assaltos a residências de idosos na região Centro.

Três dos suspeitos estavam inicialmente acusados do crime de homicídio qualificado, uma vez que uma das vítimas dos assaltos viria a falecer. No entanto, em sede de inquérito, o juiz de instrução entendeu não pronunciar os arguidos por este crime.

Na primeira sessão de julgamento, a juiz presidente ordenou extrair certidão de um dos suspeitos, que será julgado em processo à parte, uma vez que não é conhecido o seu paradeiro. Outros dois suspeitos faltaram, tendo o tribunal decretado a respetiva multa.

Os três suspeitos, que se encontram detidos no Estabelecimento Prisional de Leiria, que estiveram presentes, remeteram-se ao silêncio.

Durante a manhã, duas vítimas relataram ao tribunal os assaltos.

O primeiro assalto ocorreu na madrugada do dia 13 de abril de 2018, no Coimbrão, concelho de Leiria. A mulher, de 77 anos, contou que se levantou para ir à casa de banho e quando regressou à cama ouviu um barulho. Quando ia fechar a porta do quarto, foi agarrada por um dos suspeitos.

“Um agarrou-me e deu-me porrada. Disse que queria dinheiro e ouro. Deu-me vários murros no peito e na cabeça bateu com os nós dos dedos. Disseram que me matavam se gritasse”, revelou, referindo que foi amarrada, assim como o seu marido, que era ourives.

Ameaçada e a ser agredida, a mulher confessou onde tinha o ouro e o dinheiro. “O meu marido nunca mais ficou bem. Deixou quase de comer e queixava-se de dores de cabeça. Morreu em dezembro de 2018”.

Outra vítima, uma mulher de 81 anos, também foi assaltada no Coimbrão, em 19 de julho de 2018, e revelou que estava deitada no quarto com o marido, quando ouviu “qualquer coisa” e logo a seguir entraram quatro pessoas encapuçadas.

“Um deles só dizia: não se mexam, não gritem. Trazia uma faca e cada um trazia um pau de madeira à cintura. Pediram ouro e dinheiro”, contou.

Com receio do que pudesse acontecer, indicou o local onde tinha o ouro, explicando que o único dinheiro que possuía era pouco e estava na sua carteira. Insistindo para lhe dar mais dinheiro, a mulher revelou que foi agredida com “um murro na face” e apertaram-lhe o pescoço. “Senti que ia sufocar”.

Tanto ela como o marido foram amarrados no final do assalto, antes de os suspeitos abandonarem a casa.

A Polícia Judiciária do Centro deteve quatro homens em setembro de 2018 por presumível prática de crimes de roubo, sequestro e homicídio, ocorridos desde fevereiro desse ano nos concelhos de Leiria, Marinha Grande, Pombal, Figueira da Foz e Coimbra.

Pub

Leia também

Ministro garante que cursos superiores não vão mudar para modelo de ensino à distância

Nenhuma instituição de ensino superior pediu autorização para alterar o modelo dos cursos para ensino à distância, garantiu hoje o ministro do...

Famílias que já devolveram manuais escolares podem recuperá-los até Setembro

As escolas já receberam indicações para suspender a devolução dos manuais escolares, mas a tutela avisa que as famílias que já entregaram...

Acidentes rodoviários marcaram ontem a Figueira

Ontem de manhã, mais precisamente às 10h15, aconteceu um embate traseiro, sem consequências para os condutores na avenida D. Pedro. Às 15h30,...

DGS garante que dados em Portugal são fiáveis

A directora-geral da Saúde garantiu hoje que os dados sobre o número de casos de covid-19 em Portugal são fiáveis, observando que...

Não portugueses e estrangeiros sem residência têm de pagar teste em Portugal

Os cidadãos não portugueses ou estrangeiros sem residência em Portugal que não tenham teste negativo à covid-19 à chegada têm de o...