Início Ambiente “O planeta está a aquecer e a principal responsabilidade é nossa”, apela...

“O planeta está a aquecer e a principal responsabilidade é nossa”, apela Carlos Fiolhais

O Instituto Superior de Engenharia de Coimbra promoveu esta semana uma palestra online sob o tema das alterações climáticas, integrada no ciclo de conferências do ISEC – Engenharia e Sociedade-, em parceria com o Casino Figueira, contando com a presença de Mário Velindro, presidente do ISEC e, como convidado, o Dr.º Carlos Fiolhais, professor catedrático da Universidade de Coimbra, físico e ensaísta.

Carlos Fiolhais começou por dar uma breve introdução da sua paixão pela física e pela ciência, desenvolvendo o tópico das condições meteorológicas e climáticas do planeta, ao destacar as “irregularidades” existentes no que toca a previsão do tempo.

O professor interligou as matérias e explicou o efeito de estufa, adicionando que este fenómeno natural é essencial para a vida humana e que “não se deve dizer mal do efeito de estufa”, mas que as emissões de dióxido de carbono causadas pela acção humana estão a aumentar significativamente desde as décadas passadas, o que pode levar a consequências irreversíveis no que toca à temperatura média da Terra.

O professor decidiu conectar os tópicos das alterações climáticas com a ocorrência de fenómenos naturais, dando o exemplo do furacão Leslie, que chegou a Portugal como tempestade tropical, deixando destruição pelo seu rasto, como foi o caso do concelho da Figueira da Foz.

“Lembro-me perfeitamente deste dia. Estava com a minha mulher num casamento em Condeixa e decidimos vir embora antes de a tempestade vir. Os restantes convidados deram com vidros dos carros partidos e chegaram a casa com telhas voadas… O clima está com alterações que não são normais.”

Para além das tempestades, os incêndios são outro problema, “que de forma embora indirecta com o clima, é razão para nos preocuparmos”, refere o professor, enaltecendo a importância da vigilância e limpeza nas florestas.

Outro problema referido foi o do degelo, por causa das “massas de gelo de grande escala que vão continuar a derreter”, que irão continuar a fazê-lo independentemente dos esforços humanos para o contrariar, resultando na subida de nível do mar. A Figueira da Foz será uma das regiões mais afectadas, entre inúmeras cidades e terras espalhadas pelo globo, sendo apenas apresentada como solução “métodos e respostas de engenharia” mas que, se nada se fizer, a maior parte do concelho, em especial a zona sul, será inundada e submergida pelo mar.

Para concluir, o físico desabafou que a civilização humana esta perante um “grande desafio”, que é possível ser vencido, desde que haja “coordenação” e um “racionalismo triunfante”, proferindo ainda que “a nossa arma de sobrevivência é a razão, não sendo preciso de conjugar a razão com a vontade.”

Pub

Leia também

Suspeito de furto com mandado de detenção europeu em prisão preventiva

Um homem de nacionalidade estrangeira, suspeito do furto de equipamentos electrónicos num estabelecimento comercial da Figueira da Foz, ficou em prisão preventiva dado sobre...

Clube reproduz capa de “A Valsa dos Detectives” dos GNR para ajudar Unicef

O clube de coleccionismo de arte ‘online’ Rastro, sediado na Figueira da Foz, reproduziu em 100 serigrafias a capa do vinil “A Valsa dos...

Santana Lopes assume que não vai adquirir Cabo Mondego devido a suspeições

O presidente da Câmara da Figueira da Foz assumiu hoje que não vai adquirir o Cabo Mondego, cujo negócio estava acertado por 2,1 milhões...

Banda Os Quatro e Meia actua no fim de ano da Figueira da Foz

A festa de Fim de Ano na Figueira da Foz vai contar com o habitual espectáculo de fogo de artifício e a actuação da...

Ginásio conquista prata e bronze na regata “Aerobic Monsters”

O Clube Naval Infante D. Henrique organizou no sábado, dia 3, a Regata Internacional “Aerobic Monsters”, exclusiva para embarcações skiff, na qual participaram quatro...