Início Cultura Norte-americanos Coven estreiam-se em Portugal no Woodrock na Figueira da Foz

Norte-americanos Coven estreiam-se em Portugal no Woodrock na Figueira da Foz

A banda de culto norte-americana Coven, pioneira do chamado rock oculto e que começou a carreira em 1967, atua pela primeira vez em Portugal na sexta-feira, no festival Woodrock, em Quiaios, Figueira da Foz, anunciou a organização.

Os Coven, cuja denominação provém do imaginário ligado às ciências ocultas, magia e bruxaria, são uma banda liderada pela vocalista Jinx Dawson, cofundadora do grupo aos 17 anos – hoje tem 69 – com o baixista Oz Osborne e o baterista Steve Ross. Causou escândalo nos EUA em 1969, com o seu álbum de estreia “Witchcraft Destroys Minds & Reaps Souls”, devido ao conteúdo considerado satânico e à apologia e glorificação feita a Satanás.

No álbum aparece, pela primeira vez na história do rock, o chamado ‘símbolo dos chifres’ (os dedos mindinho e indicador espetados, anos mais tarde disseminado a nível planetário em concertos de hard rock e heavy metal), mas também cruzes invertidas, chamas e artefactos relacionados com o ocultismo na recriação de um ritual satânico, com Jinx Dawson deitada nua num altar, rodeada pelos membros da banda.

Na última faixa do trabalho de estreia – que seria retirado do mercado devido à controvérsia gerada – com 13 minutos de duração e intitulada Missa Satânica, os Coven interpretam cânticos e orações dedicados ao diabo e aos vários nomes pelo qual este é conhecido, terminando com a expressão retirada do latim “Ave Satanás”.

A banda, originária de Chicago, mas que se estabeleceu na Califórnia, manteve-se em atividade até meados dos anos 1970. Voltaria aos palcos e às gravações apenas em 2007 e, dez anos mais tarde, atuou pela primeira vez na Europa, na Holanda e Reino Unido. Os Coven começam uma nova digressão europeia na sexta-feira, no festival Woodrock, na Praia de Quiaios, a norte da Figueira da Foz, a primeira das 11 datas europeias, que os levará também a Espanha, França, Alemanha e República Checa.

“Trazer os Coven era um desejo antigo do festival. Conseguimos chegar a acordo com eles e a digressão europeia começa aqui”, disse à agência Lusa Paulo Cardoso, da organização do Woodrock, festival que decorre entre quinta-feira e sábado, cumprindo este ano a sétima edição consecutiva.

Acrescenta que a estreia dos Coven em solo luso “será um acontecimento único” e argumenta que o Woodrock “vai entrar na história dos festivais em Portugal”.

“É uma banda que está na história do rock mundial. E quanto mais conhecemos o percurso dos Coven, mais temos a certeza de que vamos fazer parte de um momento histórico. É uma banda que está agora a ser redescoberta, mais de 50 anos depois de se ter formado”, enfatiza Paulo Cardoso.

O organizador do Woodrock lembra que os Coven “foram perseguidos” nos EUA das décadas de 1960 e 1970 “numa sociedade profundamente católica e altamente preconceituosa, não só pelo imaginário que recriavam e os temas satânicos, mas também por Jinx Dawson ser mulher”.

Paulo Cardoso admite que entre o público do Woodrock “muitos desconhecem a história dos Coven”, sustenta que o que a banda norte-americana fez há 50 anos “era novo e podia ser chocante” mas enfatiza a certeza de que Jinx Dawson “será muito acarinhada” no festival da praia de Quiaios.

À organização do Woodrock, a vocalista e líder dos Coven fez apenas um pedido especial: “Sumo de cenoura de boa qualidade”, revela.

De resto, o Woodrock é conhecido por promover a integração de produtos locais – como o chouriço de Quiaios ou as Brisas da Figueira – na alimentação fornecida aos artistas e este ano não será diferente, disse Paulo Cardoso.

“Todos disseram que estamos à vontade para o fazer”, garante.

O Woodrock, que mantém uma política “muito estudada todos os anos de não crescer desmesuradamente, não crescer por crescer”, começa na quinta-feira com um cartaz onde pontificam o duo francês Putan Club, que mistura guitarra, baixo, voz e muita eletrónica, os espanhóis El Altar del Holocausto e os portugueses Galo Cantàsduas e Wildnorthe.

Na sexta-feira, dia de estreia dos Coven em Portugal, o cartaz inclui ainda os espanhóis Santo Rostro e Acid Mess e os portugueses Greengo e Asimov.

No sábado, último dia do Woodrock, Paulo Cardoso destaca a presença “muito importante” do rock dos portugueses Linda Martini, acompanhados no cartaz pelos ingleses Church of the Cosmic Skull, outra estreia em Portugal, e os projetos nacionais Solar Corona, Sunflowers e The Quartet of Woah.

Pub

Leia também

Covid-19: DGS alerta para uso indevido de luvas porque pode potenciar contágio

A Direcção-Geral da Saúde (DGS) considerou hoje que o uso de luvas na rua pode ser “contraproducente e dar uma falsa sensação...

Distrito de Coimbra sob aviso amarelo devido à chuva

O distrito de Coimbra está sob aviso amarelo até às 21h de hoje, devido à previsão de chuva que poderá ser forte,...

Tempo de Páscoa diferente

Buarcos, com largas tradições religiosas na Quaresma, suspendeu as cerimónias habituais como as procissões da Semana Santa, mas mantém vivo o espírito...

Covid-19: Pandemia alterou consumos de álcool e drogas para quase um terço de jovens

Perto de um terço dos jovens portugueses (62,4%) acredita que a pandemia de covid-19 contribuiu para a alteração de consumo de álcool...

Covid-19: Comerciantes dos mercados da Figueira da Foz com entregas ao domicílio

A Câmara da Figueira da Foz disponibilizou o contacto de 30 comerciantes dos dois mercados municipais, que continuam abertos, para que as...