Início Local Hospital da Figueira da Foz realizou mais 45% de cirurgias em seis...

Hospital da Figueira da Foz realizou mais 45% de cirurgias em seis meses face a 2020

O Hospital Distrital da Figueira da Foz (HDFF) realizou nos primeiros seis meses mais 45% de cirurgias face ao mesmo período de 2020 e mais 5.500 consultas, mais 14%, foi hoje anunciado.

Estes dados foram avançados aos jornalistas por Carlos Cortes, presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM), no final da visita que hoje efectuou àquela unidade de saúde.

Carlos Cortes classificou o aumento do número de cirurgias como “absolutamente notável”, argumentando que ele “só foi possível, obviamente, através da entrega dos profissionais [de saúde] mas também a uma eficiente gestão das salas do bloco operatório e ao alargamento do período de trabalho também durante o fim de semana”.

“Os mesmos profissionais que se dedicaram de forma muito importante à resposta à covid-19, colocam a mesma entrega na retoma” da actividade hospitalar, enalteceu.

O presidente da SRCOM notou que actividade cirúrgica “é muito importante”, já que “muitos dos doentes que são operados são doentes oncológicos, com patologias que têm de ter um tratamento muito rápido”, mas estendeu o “balanço muito positivo” e o “magnífico trabalho” de aumento da produção no HDFF a serviços hospitalares como a ortopedia, urologia ou otorrino, entre outros.

A visita de hoje ao Hospital da Figueira da Foz sucedeu-se às já realizadas em Leiria, Guarda e aos centros hospitalares de Viseu/Tondela e Universitário de Coimbra, entre outras unidades de saúde.

Embora destaque a retoma da actividade programada, Carlos Cortes avisou que “não é de todo um cenário cor-de-rosa”.

“Não é de todo um cenário agradável porque, efectivamente, continua a haver um grande atraso. O que a Ordem dos Médicos tem andado a verificar é que há uma dedicação e uma focalização, neste momento, das unidades de saúde, tanto dos cuidados de saúde primários como dos hospitais, na recuperação de doentes que estão numa situação muto complicada”, referiu.

Alguns doentes, enfatizou, chegam aos hospitais com as suas patologias “muito avançadas”.

“Os doentes hoje têm de vir aos hospitais, têm de ir ao seu médico de família, os centros de saúde e os hospitais têm perfeita segurança para poderem tratar os doentes”, apelou Carlos Cortes.

Pub

Leia também

Aprígio Santos é julgado em Coimbra por abuso fiscal quando liderava a Naval

O antigo administrador da Naval, Aprígio Santos começa a ser julgado na terça-feira, no Tribunal de Coimbra, por um crime de abuso fiscal no...

Apresentação do livro “De manhã é que se começa o dia”

O Sweet Atlantic Spa vai receber uma apresentação do livro "De manhã é que se começa o dia", de Vítor Dinis, pelas 16 horas...

Museu Municipal recebe sessão de meditação

Amanhã, pelas 21h30, o Museu Municipal Santos Rocha vai receber uma nova iniciativa cultural intitulada "Há Noite no Museu... com meditação". A sessão, de...

Baile com “A Bela Adormecida” no CAE

Neste domingo, pelas 17 horas, o Centro de Artes e Espectáculos (CAE) vai receber o bailado "A Bela Adormecida", com a música de Tchaikovsky,...

Naval Remo e Dude Surf School celebram protocolo de parceria

A Associação Desportiva Naval Remo e a Dude Surf School celebraram um protocolo de parceria que visa o desenvolvimento desportivo e social da região,...