Início Local Hospital da Figueira da Foz realizou mais 45% de cirurgias em seis...

Hospital da Figueira da Foz realizou mais 45% de cirurgias em seis meses face a 2020

O Hospital Distrital da Figueira da Foz (HDFF) realizou nos primeiros seis meses mais 45% de cirurgias face ao mesmo período de 2020 e mais 5.500 consultas, mais 14%, foi hoje anunciado.

Estes dados foram avançados aos jornalistas por Carlos Cortes, presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM), no final da visita que hoje efectuou àquela unidade de saúde.

Carlos Cortes classificou o aumento do número de cirurgias como “absolutamente notável”, argumentando que ele “só foi possível, obviamente, através da entrega dos profissionais [de saúde] mas também a uma eficiente gestão das salas do bloco operatório e ao alargamento do período de trabalho também durante o fim de semana”.

“Os mesmos profissionais que se dedicaram de forma muito importante à resposta à covid-19, colocam a mesma entrega na retoma” da actividade hospitalar, enalteceu.

O presidente da SRCOM notou que actividade cirúrgica “é muito importante”, já que “muitos dos doentes que são operados são doentes oncológicos, com patologias que têm de ter um tratamento muito rápido”, mas estendeu o “balanço muito positivo” e o “magnífico trabalho” de aumento da produção no HDFF a serviços hospitalares como a ortopedia, urologia ou otorrino, entre outros.

A visita de hoje ao Hospital da Figueira da Foz sucedeu-se às já realizadas em Leiria, Guarda e aos centros hospitalares de Viseu/Tondela e Universitário de Coimbra, entre outras unidades de saúde.

Embora destaque a retoma da actividade programada, Carlos Cortes avisou que “não é de todo um cenário cor-de-rosa”.

“Não é de todo um cenário agradável porque, efectivamente, continua a haver um grande atraso. O que a Ordem dos Médicos tem andado a verificar é que há uma dedicação e uma focalização, neste momento, das unidades de saúde, tanto dos cuidados de saúde primários como dos hospitais, na recuperação de doentes que estão numa situação muto complicada”, referiu.

Alguns doentes, enfatizou, chegam aos hospitais com as suas patologias “muito avançadas”.

“Os doentes hoje têm de vir aos hospitais, têm de ir ao seu médico de família, os centros de saúde e os hospitais têm perfeita segurança para poderem tratar os doentes”, apelou Carlos Cortes.

Pub

Leia também

Câmara da Figueira da Foz diz que “clima de insegurança” em zona de bares “não pode continuar”

A Câmara Municipal da Figueira da Foz considera que “o clima de insegurança” numa zona de bares da cidade onde hoje de madrugada se...

PSP investiga tiroteio e agressões na madrugada de hoje na Figueira da Foz

A PSP da Figueira da Foz está a investigar um tiroteio, ocorrido na madrugada de hoje, cerca das 3 horas, na zona turística do...

“O planeta está a aquecer e a principal responsabilidade é nossa”, apela Carlos Fiolhais

O Instituto Superior de Engenharia de Coimbra promoveu esta semana uma palestra online sob o tema das alterações climáticas, integrada no ciclo de conferências...

Ilustrações de Marta Monteiro no CAE até Dezembro

A ilustração da artista plástica Marta Monteiro estará em exposição no Centro de Artes e Espectáculos até dia 12 de Dezembro, em mais uma...

“Onde nos levará a Genética?” – palestra Rotary

A investigadora figueirense Sílvia Curado vai estar em directo hoje, a partir de Nova Iorque, com o Rotary Club da Figueira da Foz, numa...