Início Local Câmara da Figueira efectua posse administrativa de parque de campismo no sábado...

Câmara da Figueira efectua posse administrativa de parque de campismo no sábado – campistas têm 15 dias para o abandonar

O município da Figueira da Foz anunciou hoje que pretende efectivar a posse administrativa do parque de campismo do Cabedelo, agendada para sábado, dando, no entanto, um prazo de 15 dias aos campistas para abandonarem o espaço.

No entanto, a Câmara Municipal admite vir a ser obrigada a suspender a posse administrativa, devido a uma providência cautelar interposta pelo concessionário do espaço e que terá sido aceite pelo Tribunal Administrativo de Coimbra, decisão da qual o município ainda não foi notificado.

“Os campistas deverão abandonar o local até 31 de Julho [sexta-feira]. Mas obviamente que sabendo nós o tempo que demoram a desmontar os equipamentos, vamos permitir que possam retirar os seus pertences durante os 15 dias subsequentes”, disse hoje Ana Carvalho, vice-presidente do município, numa sessão de esclarecimento para jornalistas realizada na Câmara Municipal.

“Mas não é poderem permanecer e fazerem vida de campista e de praia. O objectivo é obviamente permitir durante alguns dias que as pessoas tenham capacidade de retirar [os seus equipamentos], a maioria são caravanas e que demoram algum tempo a ser retiradas”, sustentou a autarca.

Ana Carvalho explicou ainda que o procedimento de posse administrativa envolverá a presença de “várias equipas de funcionários” camarários e o recurso a uma empresa de segurança contratada pelo município.

“Vamos mudar as fechaduras todas, vamos ter seguranças à porta”, declarou, acrescentando que o município irá “tomar conta” da portaria do parque de campismo, bem como do café/mercearia existente nas instalações, sendo que o processo envolve, igualmente, a inventariação de “tudo” o que se encontrar no interior. Além disso, os campistas que saírem não poderão voltar a entrar.

“No fundo, ficamos responsáveis pelo espaço”, precisou Ana Carvalho.

Questionada sobre a decisão de efectivar a posse administrativa a um sábado, numa das praias mais concorridas do concelho, na margem esquerda do rio Mondego, junto ao qual se situa o parque de campismo do Cabedelo, a vice-presidente frisou que o município já esperou “tempo suficiente”.

“Neste momento, o município poderia até estar a agir mal e a prejudicar o erário público se não actuasse imediatamente. Qualquer dia [que passe] é uma espera e um prejuízo”, argumentou Ana Carvalho, esclarecendo que após o prazo de 15 dias dado aos campistas a demolição de infraestruturas no espaço de lazer, já adjudicada a uma empresa, irá avançar.

Confrontada com a providência cautelar, interposta pela Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal (FCMP), concessionária do parque, Ana Carvalho reiterou que a Câmara Municipal ainda não foi notificada da decisão, admitindo, no entanto, que caso o venha a ser, a posse administrativa será suspensa.

“Nós não temos essa informação [de que o tribunal tenha aceite a providência cautelar]. Se formos citados formalmente pelo tribunal e atempadamente, não tomamos posse administrativa. Se não formos, iremos tomar”, reafirmou.

“Mas sem uma notificação, a Câmara não tem maneira de se pronunciar sobre a mesma”, disse a vice-presidente.

Sobre o mesmo tema, a vereadora Mafalda Azenha, que é jurista, também presente na sessão, indicou que o município só pode considerar que a providência cautelar foi aceite quando possuir um despacho do juiz e for notificado sobre ele.

“Nós não temos conhecimento de que foi aceite. Somos parte directa, parte interessada, somos a contra-parte da Federação, somos nós, em primeiro lugar, que temos de ser notificados da decisão do juiz e só essa é que vincula o que fizermos daqui para a frente”, alegou a vereadora.

“A partir do momento em que somos notificados, não pode ser feita [a posse administrativa]. Fica suspensa até à data em que for decidida de mérito a providência cautelar”, acrescentou.

A posse administrativa do parque de Campismo do Cabedelo decorre de uma obra de requalificação urbana – iniciada em 2018 e que devia estar concluída em finais de 2019, mas que está atrasada vários meses face ao prazo inicial.

O seu desenvolvimento actual impõe o atravessamento do parque de campismo por uma nova estrada, bem como a disponibilização de parte de um terreno junto à actual portaria para construção de uma praça, onde actualmente se situa o parque de estacionamento, em terra batida, que serve a praia adjacente.

Pub

Leia também

Mau Tempo: Mais de 150 ocorrências entre as 08:00 e as 17:00

A Proteção Civil registou 150 ocorrências devido ao mau tempo, com Leiria, Coimbra, Porto e Lisboa a serem os distritos mais afetados,...

Figueira ganha prémio nacional da Mobilidade em Bicicleta

O Município da Figueira da Foz foi galardoado com o prémio nacional da mobilidade em bicicleta 2020, na categoria de Autarquias e...

Pais contra as mudanças de sala dos alunos

Os pais e encarregados de educação da turma 1, do 6.º ano de escolaridade da Escola Dr. João de Barros da Figueira...

Mais de 300 médicos de família ainda não foram colocados

Mais de um mês após o lançamento do concurso para colocação dos 365 médicos de família, os especialistas continuam sem trabalhar numa...

Protecção Civil emite recomendações para próximos dias de mau tempo

A Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) emitiu hoje recomendações para as próximas 48 horas devido às previsões de chuva...