Início Cultura Prémio literário António Cabral 2019 atribuído ao poeta António Canteiro

Prémio literário António Cabral 2019 atribuído ao poeta António Canteiro

O prémio literário António Cabral, instituído bienalmente pela Câmara de Vila Real, foi atribuído este ano ao escritor António Canteiro pela obra de poesia “Não fosse o tumulto de um corpo”, anunciaram hoje os promotores.

O prémio literário António Cabral pretende ser uma homenagem ao poeta do Douro, que faleceu em 2007, e visa também estimular novas produções literárias.

A vereadora da Cultura da Câmara de Vila Real, Eugénia Almeida, disse hoje, em conferência de imprensa, que à edição deste ano concorreram 136 obras de poesia, originais, muitas das quais de poetas brasileiros.

O professor e escritor Pires Cabral, do Grémio Literário Vila-Realense, anunciou que o júri escolheu o livro “Não fosse o tumulto de um corpo”, da autoria de António Canteiro, pseudónimo de João Carlos Costa da Cruz, um técnico superior da Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, com 55 anos e residente em Febres, Cantanhede.

O júri considerou que se trata de uma obra que “revela uma forte sensibilidade poética” e com “inegável qualidade linguística, imaginativa e musical”.

O premiado já escreveu obras de romance e poesia como a “Parede de Adobo”, “Ao redor dos muros”, “Largo da capella”, “O silêncio solar das manhãs”, “Logo à tarde vai estar frio” ou a “Casa do ser”.

Publicou ainda o trabalho de investigação sobre a etnia cigana “Questões étnicas, questões éticas”.

O prémio no valor de 5.000 euros vai ser entregue no sábado, em Vila Real, no decorrer do Encontro de Escritores Transmontanos e Durienses.

O prémio, instituído em 2011, já foi atribuído a Amadeu Baptista, Daniel Gonçalves e Nuno de Figueiredo.

Em 2015, segundo Eugénia Almeida, o júri deliberou não atribuir o galardão, “por manifesta falta de qualidade dos originais apresentados a concurso”.

António Cabral (1931-2007) foi autor de mais de duas dezenas de títulos nas áreas da poesia, dramaturgia, do romance e do conto, tendo ainda desenvolvido trabalhos de investigação na área dos jogos populares e pedagogia do jogo.

Escreveu, entre outros, “A mulher e a cobra”, “O mar e as águias”, “Falo-vos da montanha”, “A flor e as palavras”, “Poemas durienses””, “O Orfeu rebelde”, “Aqui. Douro”, “Os jogos populares e o ensino”, “Novos poemas durienses”, “Ouve-se um rumor” ou “Entre quem é”.

António Cabral, licenciado em Filosofia pela Universidade do Porto, foi professor, fundou o Centro Cultural Regional de Vila Real, as revistas Setentrião e Tellus e o jornal Nordeste Cultural.

Pub

Leia também

Acidentes rodoviários marcaram ontem a Figueira

Ontem de manhã, mais precisamente às 10h15, aconteceu um embate traseiro, sem consequências para os condutores na avenida D. Pedro. Às 15h30,...

DGS garante que dados em Portugal são fiáveis

A directora-geral da Saúde garantiu hoje que os dados sobre o número de casos de covid-19 em Portugal são fiáveis, observando que...

Não portugueses e estrangeiros sem residência têm de pagar teste em Portugal

Os cidadãos não portugueses ou estrangeiros sem residência em Portugal que não tenham teste negativo à covid-19 à chegada têm de o...

Coliseu Figueirense com plano de animação de verão

Entre Julho e Agosto estão previstos vários concertos musicais no redondel do Coliseu Figueirense. No ano que assinala 125 anos, o recinto...

Fogo na sede da Naval foi há 23 anos

Foi no dia 4 de Julho de 1997, que a Associação Naval 1.º de Maio viu o fogo destruir a sua sede,...