Início Cultura Prémio literário António Cabral 2019 atribuído ao poeta António Canteiro

Prémio literário António Cabral 2019 atribuído ao poeta António Canteiro

O prémio literário António Cabral, instituído bienalmente pela Câmara de Vila Real, foi atribuído este ano ao escritor António Canteiro pela obra de poesia “Não fosse o tumulto de um corpo”, anunciaram hoje os promotores.

O prémio literário António Cabral pretende ser uma homenagem ao poeta do Douro, que faleceu em 2007, e visa também estimular novas produções literárias.

A vereadora da Cultura da Câmara de Vila Real, Eugénia Almeida, disse hoje, em conferência de imprensa, que à edição deste ano concorreram 136 obras de poesia, originais, muitas das quais de poetas brasileiros.

O professor e escritor Pires Cabral, do Grémio Literário Vila-Realense, anunciou que o júri escolheu o livro “Não fosse o tumulto de um corpo”, da autoria de António Canteiro, pseudónimo de João Carlos Costa da Cruz, um técnico superior da Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, com 55 anos e residente em Febres, Cantanhede.

O júri considerou que se trata de uma obra que “revela uma forte sensibilidade poética” e com “inegável qualidade linguística, imaginativa e musical”.

O premiado já escreveu obras de romance e poesia como a “Parede de Adobo”, “Ao redor dos muros”, “Largo da capella”, “O silêncio solar das manhãs”, “Logo à tarde vai estar frio” ou a “Casa do ser”.

Publicou ainda o trabalho de investigação sobre a etnia cigana “Questões étnicas, questões éticas”.

O prémio no valor de 5.000 euros vai ser entregue no sábado, em Vila Real, no decorrer do Encontro de Escritores Transmontanos e Durienses.

O prémio, instituído em 2011, já foi atribuído a Amadeu Baptista, Daniel Gonçalves e Nuno de Figueiredo.

Em 2015, segundo Eugénia Almeida, o júri deliberou não atribuir o galardão, “por manifesta falta de qualidade dos originais apresentados a concurso”.

António Cabral (1931-2007) foi autor de mais de duas dezenas de títulos nas áreas da poesia, dramaturgia, do romance e do conto, tendo ainda desenvolvido trabalhos de investigação na área dos jogos populares e pedagogia do jogo.

Escreveu, entre outros, “A mulher e a cobra”, “O mar e as águias”, “Falo-vos da montanha”, “A flor e as palavras”, “Poemas durienses””, “O Orfeu rebelde”, “Aqui. Douro”, “Os jogos populares e o ensino”, “Novos poemas durienses”, “Ouve-se um rumor” ou “Entre quem é”.

António Cabral, licenciado em Filosofia pela Universidade do Porto, foi professor, fundou o Centro Cultural Regional de Vila Real, as revistas Setentrião e Tellus e o jornal Nordeste Cultural.

Pub

Leia também

A Figueira da Foz “é uma cidade lindíssima” – diz José Ramos-Horta

O Prémio Nobel da Paz e actual Presidente da República de Timor, José Manuel Ramos-Horta, conversou com O Figueirense. Político e jurista, Ramos-Horta tomou recentemente...

Festa do Arroz em Maiorca

A Confraria do Arroz Doce de Maiorca vai realizar depois de amanhã, domingo, a Festa do Arroz, que irá decorrer em Maiorca. Esta iniciativa tem...

O Figueirense já nas bancas!

A edição mensal de Maio d'O Figueirense já se encontra nas bancas! Eis a primeira página:

19º aniversário do Núcleo Museológico do Sal encerra «Maio é Museu!»

A programação cultural promovida pelo Museu Municipal Santos Rocha (MMSR), no âmbito da iniciativa da 10.ª edição de “Maio é Museu!”, vai culminar nas...

Arquitecto figueirense ganha prémio nacional

O arquitecto paisagista figueirense Fernando dos Santos Pessoa ganhou o Prémio “Ambiente e Paisagem Gonçalo Ribeiro Telles”, segundo apurou O Figueirense. Outro dos premiados foi...