Início Ambiente Presidente da República elogia “resistência” das populações afectadas no Baixo Mondego

Presidente da República elogia “resistência” das populações afectadas no Baixo Mondego

O Presidente da República defendeu hoje que agora importa fazer um levantamento dos danos causados pelas cheias no Baixo Mondego, na semana passada, tendo realçado a “capacidade de resistência” das populações.

“É preciso fazer o levantamento dos prejuízos para ver como se avança”, disse Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas em Montemor-o-Velho, Coimbra, que elogiou a “capacidade de resistência” das pessoas afectadas.

O Presidente da República prestava as primeiras declarações na vila de Ereira, naquele município do distrito de Coimbra, durante a visita que efectuou, hoje à tarde, aos locais do Baixo Mondego mais afectados pelas cheias da semana passada.

Marcelo Rebelo de Sousa está a visitar hoje, desde o início da tarde, a região do Baixo Mondego, no distrito de Coimbra, passado o período crítico das inundações, para obter informação no local sobre os efeitos do mau tempo.

O chefe de Estado, que acertou esta deslocação com o presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Velho, Emílio Torrão, esteve acompanhado pelo ministro do Ambiente, José Pedro Matos Fernandes.

Na sequência da passagem das depressões Elsa e Fabien, Marcelo Rebelo de Sousa divulgou uma nota a dar conta de que estava a acompanhar a situação do mau tempo em Portugal, em particular no Baixo Mondego, onde a ruptura de dois diques provocou cheias, e prometeu deslocar-se àquela região.

Na véspera de Natal, anunciou que iria fazer hoje essa visita, declarando: “Vou observar, vou ver, e vou contactar com a realidade, conforme prometi, no tempo adequado, que é estabilizada a situação e não durante o período crítico – exactamente o mesmo que adoptei em relação aos incêndios. Entendo que ganho em perceber o que se passou e aquilo que está a ser pensado”.

Os efeitos do mau tempo provocaram três mortos e deixaram 144 pessoas desalojadas e outras 352 deslocadas por precaução, registando-se mais de 11.600 ocorrências, na maioria inundações e quedas de árvores.

O mau tempo, provocado pela depressão Elsa, entre os dias 18 e 20, a que se juntou no dia 21 a depressão Fabien, provocou também condicionamentos na circulação rodoviária e ferroviária, bem como danos na rede eléctrica, afectando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.

Pub

Leia também

Covid-19: Figueira da Foz cria área para infectados ou suspeitos na escola da GNR

A Câmara da Figueira da Foz vai instalar uma Área Dedicada Covid-19 no Centro de Formação da Guarda Nacional Republicana (GNR), cedida,...

Covid-19: Vários estudantes estrangeiros de Coimbra decidem sair e número pode crescer

A Universidade de Coimbra já registou 23 intercâmbios cancelados e 81 desistências do curso de língua portuguesa, e admitiu que os estrangeiros...

Casino Figueira mantém-se encerrado até reavaliação da situação

O Casino da Figueira da Foz mantém-se encerrado e a sua reabertura só ocorrerá “após reavaliação da situação”, pelas autoridades competentes, relacionada...

Relógios adiantam uma hora na madrugada de domingo

Os ponteiros do relógio vão adiantar 60 minutos na madrugada de domingo em Portugal Continental e nos arquipélagos da Madeira e dos...

“Como se espalha o coronavírus” – vídeo informativo sobre o Covid-19

O jornal electrónico Observador criou um vídeo informativo intitulado "Como se espalha o coronavírus", de forma a explicar como funcionam as cadeias...