Início Ambiente Presidente da República vem a Montemor-o-Velho

Presidente da República vem a Montemor-o-Velho

O Presidente da República anunciou que vai visitar a região do Baixo Mondego amanhã para obter informação no local sobre os efeitos do mau tempo, escusando-se antes disso a comentar a situação.

“Mas já percebi que da parte do Governo há a intenção, por um lado, de olhar para a situação dos agricultores, por outro lado, de encontrar uma solução provisória para substituir o que de dique deixou de existir, para permitir depois, com mais tempo, pensar noutra solução mais duradoura. Mas vou perceber, ouvir e ver”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

Questionado pelos jornalistas sobre o momento em que visitará o Baixo Mondego, o Presidente da República respondeu que acertou com o presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Velho, Emílio Torrão, deslocar-se à região no Sábado, dia 28 de Dezembro.

Marcelo Rebelo de Sousa adiantou que possivelmente estará acompanhado nessa visita pelo ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, e que já falou entretanto com a ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque.

“Vou observar, vou ver, e vou contactar com a realidade, conforme prometi, no tempo adequado, que é estabilizada a situação e não durante o período crítico – exactamente o mesmo que adoptei em relação aos incêndios. E entendo que ganho em perceber o que se passou e ganho em perceber aquilo que está a ser pensado”, afirmou.

Interrogado se entende que houve algo que correu menos bem, o chefe de Estado considerou que não dispõe de “elementos para falar” neste momento.

“Vou, primeiro, para ver e, depois, para ouvir exactamente aquilo que me vão contar sobre o que se passou, e perceber. Portanto, neste momento, sem ouvir e ver, não me vou pronunciar sobre o que se terá passado”, acrescentou.

O comandante distrital de operações de socorro de Coimbra, Carlos Luís Tavares, disse que “neste momento as coisas estão muito mais tranquilas”, registando-se uma diminuição do nível da água em todo o vale do Mondego afectado pelas cheias, embora ainda não o suficiente para que o rio voltasse a estar confinado ao seu leito.

Os efeitos do mau tempo da semana passada, na sequência das depressões Elsa e Fabien, provocaram três mortos e deixaram 144 pessoas desalojadas, registando-se mais de 11.600 ocorrências, na maioria inundações e quedas de árvores.

O mau tempo levou também a condicionamentos na circulação rodoviária e ferroviária, danos na rede eléctrica e a subida dos caudais de vários rios, provocando inundações em zonas ribeirinhas das regiões Norte e Centro, em particular no distrito de Coimbra.

No rio Mondego, a ruptura de dois diques provocou cheias em Montemor-o-Velho, onde várias zonas foram evacuadas e uma grande área, incluindo muitas plantações, estradas e o Centro de Alto Rendimento, ficou submersa.

A situação começou a ter na Segunda-feira os primeiros sinais positivos de melhoria e diminuição do grau de risco, segundo a Protecção Civil.

Pub

Leia também

Covid-19: Doentes oncológicos do hospital da Figueira da Foz tratados em Coimbra por segurança

Três dezenas de doentes oncológicos do Hospital Distrital da Figueira da Foz (HDFF) estão a receber tratamento no Instituto Português de Oncologia...

Polícia Judiciária deteve suspeito de violar enteada na Figueira da Foz

Um homem de 33 anos foi detido pela Polícia Judiciária pela presumível prática de crimes de violação sobre uma menor de 16...

Não há doentes com Covid-19 internados no Hospital da Figueira

Os casos registados no concelho figueirense têm sido referidos nos vários órgãos da comunicação social com um número a aproximar-se das 34...

Covid-19: Escolas de surf do Cabedelo reabriram adaptadas à pandemia

As quatro escolas de surf instaladas na praia do Cabedelo, Figueira da Foz, tomaram medidas para lidar com a pandemia da covid-19,...

Polícia Marítima promete atenção especial a praias não vigiadas

O comandante-geral da Polícia Marítima (PM) revelou hoje que vai ser dada especial atenção às praias não vigiadas durante a época balnear,...