Início Ambiente Greve climática dos jovens portugueses antes da chegada de Greta Thunberg

Greve climática dos jovens portugueses antes da chegada de Greta Thunberg

A greve climática estudantil, que se realiza amanhã em Portugal pela quarta vez, terá como principal objetivo mobilizar os jovens a participar na Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2019 (COP25).

Por um lado, a greve foi anunciada “em cima da hora”, segundo a organização, mas, por outro, a jovem ativista sueca Greta Thunberg deverá visitar Portugal já na próxima semana.

A expectativa quanto ao número de participantes na greve climática que se realiza na Sexta-feira não é muita, até porque vão aderir menos cidades, mas a organização considera que, neste momento, o mais importante não é contar pessoas.

Alice Gato, em depoimentos à agência Lusa, disse que há muitos jovens dispostos a viajar até às cidades, onde se vai fazer greve, para aderir ao protesto.

Neste momento estão confirmadas greves em cinco localidades: Lisboa, Porto, Coimbra, Faro e Santa Maria, nos Açores. Estão também previstos outros tipos de acções em Penafiel, Évora e Caldas da Rainha, acrescentou.

Em Portugal, os protestos de Sexta-feira vão servir também para convencer o máximo de pessoas a ir à COP25. Os protestos vão ter “uma componente muito mais artística”, sublinhou a estudante.

Em Lisboa, por exemplo, irão participar vários movimentos como o “Linha Vermelha” ou o “Red Rebel Brigade”, um grupo de activistas conhecido pelas suas encenações silenciosas em que aparecem todos vestidos de vermelho.

Já o colectivo “Linha Vermelha” nasceu da vontade de lutar contra o problema da exploração de petróleo e gás natural e destacou-se quando decidiu costurar em tricot e crochet uma linha vermelha do comprimento do gasoduto, recordou Alice Gato.

O grupo contesta os dois contractos activos para iniciar a prospecção de combustíveis fósseis em Portugal fazendo um furo na Bajouca e outro em Aljubarrota.

Na Sexta-feira, o grupo irá levar a linha vermelha já tricotada para a transportar desde o Largo do Camões, onde começa o protesto, até ao largo em frente à Assembleia da República, onde termina.

Em Portugal, os activistas exigem o encerramento das centrais de carvão, a paragem de quaisquer novos projetos que aumentem as emissões a nível nacional e a neutralidade de carbono em 2030.

Pub

Leia também

Figueira ganha prémio nacional da Mobilidade em Bicicleta

O Município da Figueira da Foz foi galardoado com o prémio nacional da mobilidade em bicicleta 2020, na categoria de Autarquias e...

Pais contra as mudanças de sala dos alunos

Os pais e encarregados de educação da turma 1, do 6.º ano de escolaridade da Escola Dr. João de Barros da Figueira...

Mais de 300 médicos de família ainda não foram colocados

Mais de um mês após o lançamento do concurso para colocação dos 365 médicos de família, os especialistas continuam sem trabalhar numa...

Protecção Civil emite recomendações para próximos dias de mau tempo

A Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) emitiu hoje recomendações para as próximas 48 horas devido às previsões de chuva...

Chuva regressa na quinta-feira

A chuva deverá regressar na quinta-feira a Portugal, prevendo-se uma descida gradual de temperatura e aguaceiros, que poderão ser acompanhados de trovoada,...