Início Ambiente Cientistas estudam doenças associadas à saúde dos ecossistemas aquáticos urbanos

Cientistas estudam doenças associadas à saúde dos ecossistemas aquáticos urbanos

Uma equipa de cientistas da Universidade de Coimbra (UC) lidera um consórcio europeu que reúne 13 parceiros de 10 países para estudar o risco de doenças associado à degradação dos ecossistemas ribeirinhos urbanos.

O consórcio, que recebeu cerca de cinco milhões de financiamento do programa europeu “Horizon Europe para o projecto de investigação “OneAquaHealth – Protecting urban aquatic ecosystems to promote One Health”, vai estudar a ligação entre a saúde dos ecossistemas aquáticos urbanos e a saúde humana, ao longo de quatro anos.

A investigadora do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) Maria João Feio, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), explicou que o objectivo do projecto é “demonstrar que a saúde dos ecossistemas de água doce e a saúde e o bem-estar humano em contextos urbanos estão altamente interligados, e que a melhoria de um resulta na melhoria do outro”.

Para tal, destacou a investigadora da FCTUC, o OneAquaHealth – que, para além de Portugal, integra parceiros de Espanha, França, Itália, Áustria, Suíça, Bélgica, Noruega, Grécia e Israel –, pretende “seleccionar os melhores indicadores que possam avaliar esse equilíbrio e o risco de doenças associadas à degradação dos ecossistemas ribeirinhos urbanos e da sua fauna e flora”.

Maria João Feio acrescentou que o projecto visa ainda “fornecer ferramentas que permitam estabelecer as decisões mais adequadas e oportunas com base em alertas precoces e as melhores formas de gerir os ecossistemas aquáticos urbanos, no contexto da saúde global nas cidades e das alterações climáticas”.

Segundo um comunicado da UC enviado à agência Lusa, o consórcio europeu “assume um caráter interdisciplinar, juntando empresas, universidades e centros de investigação nas áreas da ecologia, saúde humana, veterinária, ciências sociais, comunicação, informática e artes”.

Em Portugal, a empresa parceira do projecto é a SHINE2Europe, sediada em Coimbra e com instalações na Figueira da Foz, que, na sua página de internet, afirma ter como objectivo promover comunidades inclusivas para todos os cidadãos, fornecendo serviços de investigação, consultoria e apoio à implementação de soluções tecnológicas saudáveis e inclusivas.

Pub

Leia também

Suspeito de furto com mandado de detenção europeu em prisão preventiva

Um homem de nacionalidade estrangeira, suspeito do furto de equipamentos electrónicos num estabelecimento comercial da Figueira da Foz, ficou em prisão preventiva dado sobre...

Clube reproduz capa de “A Valsa dos Detectives” dos GNR para ajudar Unicef

O clube de coleccionismo de arte ‘online’ Rastro, sediado na Figueira da Foz, reproduziu em 100 serigrafias a capa do vinil “A Valsa dos...

Santana Lopes assume que não vai adquirir Cabo Mondego devido a suspeições

O presidente da Câmara da Figueira da Foz assumiu hoje que não vai adquirir o Cabo Mondego, cujo negócio estava acertado por 2,1 milhões...

Banda Os Quatro e Meia actua no fim de ano da Figueira da Foz

A festa de Fim de Ano na Figueira da Foz vai contar com o habitual espectáculo de fogo de artifício e a actuação da...

Ginásio conquista prata e bronze na regata “Aerobic Monsters”

O Clube Naval Infante D. Henrique organizou no sábado, dia 3, a Regata Internacional “Aerobic Monsters”, exclusiva para embarcações skiff, na qual participaram quatro...