Início Economia Restaurantes querem outro olhar

Restaurantes querem outro olhar

Os restaurantes pedem uma “mudança de estratégia” ao Governo que ponha fim às restrições nos horários, contabilizando perdas de faturação superiores a 70% no último trimestre e pedindo mais apoios.

“Três meses de contínuas medidas restritivas provocam quebras abruptas de facturação, ascendendo os 70% de facturação em relação ao período homólogo”, adianta a associação nacional de restaurantes PRO.VAR, num comunicado ontem divulgado, no qual estabelece uma relação de causa-efeito entre esta quebra de facturação e “o aumento do desemprego (50 mil desempregados), encerramento parcial, falências e insolvências no sector (mais de 10 mil estabelecimentos)”.

“A PRO.VAR entende que a estratégia adoptada pelo Governo, na redução dos horários e encerramento dos estabelecimentos de restauração tem efeitos nulos no combate à pandemia e grave consequências económicas para o sector”, defendem em comunicado, no qual alertam para o descontentamento crescente dos clientes.

Segundo a associação, “são agora os próprios clientes que se insurgem contra as medidas”, que manifestam a sua “incompreensão” relativamente aos horários reduzidos que promovem ajuntamentos e refeições apressadas em datas festivas, como o período de final de ano.

“A PRO.VAR deseja que neste novo ano o Governo altere a estratégia de restrições e pede mais fiscalização e fortes penalizações para quem não cumprir com as regras de segurança. Outro desejo, prende-se com os apoios, esperando que o Governo aprove”, pede a associação em comunicado.

Entre os apoios reivindicados estão um programa APOIAR 2.0 para cobrir parte dos custos fixos do último trimestre, “que se estimam ser de 1,4 mil milhões de euros, resultado de 70% de perda homóloga no valor de dois mil milhões de euros”.

Os restaurantes pedem ainda a isenção a 100% da Taxa Social Única (TSU); o aumento do apoio às rendas “em valor e em prazo”; e a redução do IVA na restauração, “para permitir uma recuperação mais célere”.

Portugal contabiliza pelo menos 6.972 mortos associados à Covid-19 em 420.629 casos confirmados de infecção, segundo o último boletim da Direcção-Geral da Saúde (DGS).

O estado de emergência decretado em 09 de Novembro para combater a pandemia foi renovado até 7 de Janeiro, com recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado.

O Governo decidiu manter as medidas previstas para o Natal, mas agravou as do período do Ano Novo, com recolher obrigatório a partir das 23 horas de 31 de Dezembro, e a partir das 13: horas nos dias 1, 2 e 3 de Janeiro.

É também proibido circular entre concelhos entre as 00:00 de 31 de Dezembro passado e as 5 horas de 4 de Janeiro.

O funcionamento dos restaurantes em todo o território continental é permitido até às 22h30 no último dia do ano, e até às 13 horas nos dias 2 e 3 de Janeiro.

Pub

Leia também

Câmara da Figueira da Foz diz que “clima de insegurança” em zona de bares “não pode continuar”

A Câmara Municipal da Figueira da Foz considera que “o clima de insegurança” numa zona de bares da cidade onde hoje de madrugada se...

PSP investiga tiroteio e agressões na madrugada de hoje na Figueira da Foz

A PSP da Figueira da Foz está a investigar um tiroteio, ocorrido na madrugada de hoje, cerca das 3 horas, na zona turística do...

“O planeta está a aquecer e a principal responsabilidade é nossa”, apela Carlos Fiolhais

O Instituto Superior de Engenharia de Coimbra promoveu esta semana uma palestra online sob o tema das alterações climáticas, integrada no ciclo de conferências...

Ilustrações de Marta Monteiro no CAE até Dezembro

A ilustração da artista plástica Marta Monteiro estará em exposição no Centro de Artes e Espectáculos até dia 12 de Dezembro, em mais uma...

“Onde nos levará a Genética?” – palestra Rotary

A investigadora figueirense Sílvia Curado vai estar em directo hoje, a partir de Nova Iorque, com o Rotary Club da Figueira da Foz, numa...