Início Nacional Portugal regista 6.880 mortos em acidentes rodoviários na última década

Portugal regista 6.880 mortos em acidentes rodoviários na última década

Portugal registou 6.880 vítimas mortais em resultado directo da sinistralidade rodoviária durante a última década, anunciou hoje a Polícia de Segurança Pública (PSP), no âmbito do Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada, que se assinala no domingo.

Segundo a PSP, uma das principais causas da sinistralidade rodoviária é a velocidade excessiva, “altamente potenciadora de ferimentos e danos graves”.

Deste total nacional, na área da PSP, em 2018 foram registados 15.642 acidentes com vítimas, contabilizando-se 83 vítimas mortais, 771 feridos graves e 18.274 feridos ligeiros.

Em 2019, os dados reportados pela PSP indicam a ocorrência de 16.341 acidentes com vítimas, o que resultou em 107 vítimas mortais, 788 feridos graves e 19.063 feridos ligeiros.

“Ainda assim, verificamos que, tanto a nível global como nacional, o panorama da sinistralidade rodoviária e das suas consequências tem vindo a melhorar consistentemente”, avançou a polícia nacional.

Os dados da evolução da sinistralidade na União Europeia relativamente às vítimas mortais apontam para 55.652 mortos nas estradas no ano 2000, número que tem vindo a descer ao longo dos anos, em 2010 com 31.516 vítimas mortais e com o número mais baixo registado em 2018 com 21.717 mortos.

Quanto à evolução sinistralidade Portugal, os dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) revelam que em 2010 houve 35.426 acidentes com vítimas, com 937 vítimas mortais, 2.475 feridos graves e 43.890 feridos ligeiros.

Com oscilações aos longos dos últimos anos, sobretudo no número de mortos registados nas estradas portuguesas, em 2019 contabilizaram-se 35.704 acidentes com vítimas, com 626 vítimas mortais, 2.168 feridos graves e 43.183 feridos ligeiros, segundo os dados da ANSR.

Sobre as causas da sinistralidade, em que a velocidade excessiva é apontada com “altamente potenciadora de ferimentos e danos graves”, a polícia adiantou que “tendo como referência a velocidade máxima permitida, diminuir a velocidade em 5% traduz-se na redução em 30% da probabilidade de ser interveniente num acidente de viação com consequências graves”, de acordo com dados de 2018 da Organização Mundial de Saúde.

Neste sentido, a PSP vai continuar a apostar na “proactividade policial”, realizando operações de fiscalização de controlo da velocidade em locais propensos a acidentes de viação, também com base na estatística dos acidentes registados.

Pub

Leia também

Casino reabre com temas primaveris

O Casino Figueira reabriu sob a alçada da campanha “Primavera”, com o intuito de apostar numa comunicação informal, “colorida e sensorial”, traduzindo um ambiente...

Três novos casos nas últimas 24h

O concelho da Figueira da Foz registou hoje três novos casos de pessoas infectadas com covid-19, totalizando o número de casos registados desde Março...

Pesca da sardinha autorizada a partir de 17 de Maio

A pesca da sardinha reabre às 00h00 de 17 de Maio, segundo despacho ontem publicado, que levanta uma proibição com quase sete meses, com...

Figueira da Foz vai contar os seus azulejos

O município da Figueira da Foz tem em curso um levantamento do património de azulejos do concelho, através do reconhecimento e registo fotográfico para...

Transposição de areias para tratar erosão a sul da Figueira da Foz só em 2023

A transposição de três milhões de metros cúbicos de areia, de norte para sul do Mondego, na Figueira da Foz, só deverá começar em...