Início Educação Estudantes do ensino profissional vão ter exames regionais de acesso ao superior

Estudantes do ensino profissional vão ter exames regionais de acesso ao superior

Os estudantes do ensino profissional vão realizar exames regionais na instituição mais próxima da sua área de residência e com o resultado podem candidatar-se a todas as universidades e politécnicos que abrirem vagas para os concursos especiais.

De acordo com o jornal Público de hoje, os estudantes que completam o ensino profissional, para quem foi criada uma nova via de acesso ao ensino superior a partir deste ano, vão experimentar um modelo que é uma novidade em Portugal: a realização de exames regionais, agendados para Setembro.

O jornal adianta, com informação prestada pelo presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), Pedro Dominguinhos, que três consórcios, no norte, centro e sul do país vão fazer provas específicas para seriar os candidatos.

A iniciativa é dos institutos politécnicos, mas há universidades que também vão integrá-los.

Cada estudante fará apenas um exame de acesso, na instituição mais próxima da sua área de residência e com esse resultado, pode candidatar-se a todas as universidades e politécnicos da região que abrirem vagas para estes concursos especiais.

A possibilidade de um exame único vai estar em cima da mesa no próximo ano lectivo.

Para já, estão formalizados dois consórcios. Um no Norte — que inclui os politécnicos de Bragança, Porto, Cávado e Ave e Viana do Castelo — e outro no Sul, com os politécnicos de Setúbal, Santarém, Portalegre e Beja, bem como a Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril e a Escola Náutica Infante D. Henrique, em Oeiras. Integra também esta rede a Universidade do Algarve, que tem ensino politécnico.

O terceiro consórcio, na região Centro, envolvendo politécnicos como Coimbra e Leiria, ainda não está concretizado, de acordo com Pedro Dominguinhos.

A Universidade de Aveiro, que também tem ensino politécnico, pode igualmente integrar o consórcio. As universidades estão mais atrasadas.

“O concurso especial destinado aos diplomados do ensino profissional — e que também abrange quem fez cursos artísticos ou de aprendizagem — permite a cada estudante candidatar-se a três cursos superiores diferentes, o que, de acordo com as regras aprovadas em Abril pelo Governo, poderia obrigá-los a fazer mais do que um exame de ingresso”, adianta o jornal.

Se um aluno se candidatasse a licenciaturas de instituições diferentes, teria que fazer três provas específicas distintas.

Em declarações ao público, o presidente do CCISP disse que “faz pouco sentido os estudantes andarem a fazer provas em todas as instituições a que querem concorrer”.

O próximo ano lectivo no ensino superior começa nas primeiras semanas de Outubro, depois das alterações no calendário motivadas pela pandemia de covid-19.

As instituições têm até 18 de Maio para aprovar os seus regulamentos internos e definir a fórmula de acesso a usar e dizer ao Governo se querem ou não abrir estes concursos especiais no próximo ano lectivo.

Pub

Leia também

“Perfeitos Desconhecidos” no CAE

No dia 28 de Janeiro, pelas 21h30, o Centro de Artes e Espectáculos apresenta a peça de drama e comédia "Perfeitos Desconhecidos", que conta com...

Aviso amarelo devido ao frio a partir de sábado

Sete distritos do continente estão hoje sob aviso amarelo devido ao frio, subindo no sábado para 15, incluindo o distrito de Coimbra, devido à...

Figueira da Foz abre portas do Paço de Maiorca para mostrar estado de ruína

O município da Figueira da Foz vai abrir este mês as portas do Paço de Maiorca às sextas-feiras e sábados, numa iniciativa que pretende...

Sindicato fala em adesão “muito grande” à greve nas conservas, patrões dizem “praticamente nula”

A greve de hoje dos trabalhadores da indústria das conservas regista, segundo o sindicato, uma “adesão muito grande”, havendo fábricas “completamente paradas”, como a...

Câmara da Figueira da Foz avalia sentença que onera terreno seis vezes mais

A Câmara da Figueira da Foz vai analisar uma sentença do Tribunal da Relação de Coimbra que obriga o município a pagar por um...