Início Espectáculo Expofacic adiada para 2021 com prejuízos materiais e emocionais

Expofacic adiada para 2021 com prejuízos materiais e emocionais

O adiamento para 2021 da Feira Agrícola, Comercial e Industrial de Cantanhede (Expofacic) envolve prejuízos materiais, mas também resulta em danos sociais e emocionais, disse à agência Lusa a presidente daquele município, Helena Teodósio.

“Temos consciência de que o adiamento, neste período de pandemia (de covid-19), tem prejuízos materiais, mas também muito prejuízo imaterial, ao nível emocional, porque o bem que (a feira) poderia fazer (a associações, escolas e colectividades do concelho), este ano não faz”, argumentou a presidente da Câmara Municipal.

O adiamento daquela que seria a 30.ª edição da Expofacic foi divulgado após a decisão do Governo de proibir, até 30 de Setembro, festivais de música e eventos análogos, embora a comissão executiva do evento, que é liderada por Helena Teodósio, já tivesse antecipado a sua não realização em 2020.

A decisão de adiar um evento que reúne ao longo de 11 dias, em Cantanhede, centenas de milhar de pessoas em 10 hectares de área (o equivalente a 14 relvados de futebol), mais de 600 espaços de exposição, sete palcos e 42 tasquinhas dinamizadas por instituições locais, foi, segundo a autarca, “muito ponderada” e não deixa de ter “um impacto enorme” nesta cidade do distrito de Coimbra, como na região “ou até no próprio país”.

“Por esta altura já devíamos estar a fazer as primeiras montagens (do certame, agendado entre o final de Julho e inícios de Agosto), os contratos estavam todos celebrados e essa foi sempre uma preocupação da INOVA (a empresa municipal responsável pela Expofacic), que tem a gestão da parte financeira e gere dinheiros públicos”, explicou Helena Teodósio.

Para além das centenas de empresas ali habitualmente representadas e outras, como supermercados, comércio ou unidades hoteleiras cujos montantes de eventuais perdas a autarquia não consegue contabilizar, juntam-se as colectividades concelhias, nomeadamente as que dinamizam as tasquinhas “que, este ano, vão ter uma quebra grande no orçamento”.

O prejuízo estende-se a artistas locais, como filarmónicas, grupos de cantares, de dança e ranchos folclóricos e outros, nacionais e internacionais, e produtores dos mais de 200 espectáculos previstos nos sete palcos do recinto, às instituições de solidariedade e escolas ali representadas pelas actividades culturais e desportivas que lhes eram proporcionadas, bem como aos muitos emigrantes oriundos de Cantanhede que aproveitavam a feira como “um local de convívio que faz bem à alma e ao coração”, notou Helena Teodósio.

Perante o adiamento da edição 2020, a comissão executiva está já a preparar a de 2021, nomeadamente na requalificação do espaço localizado no centro de Cantanhede.

Pub

Leia também

Ministro garante que cursos superiores não vão mudar para modelo de ensino à distância

Nenhuma instituição de ensino superior pediu autorização para alterar o modelo dos cursos para ensino à distância, garantiu hoje o ministro do...

Famílias que já devolveram manuais escolares podem recuperá-los até Setembro

As escolas já receberam indicações para suspender a devolução dos manuais escolares, mas a tutela avisa que as famílias que já entregaram...

Acidentes rodoviários marcaram ontem a Figueira

Ontem de manhã, mais precisamente às 10h15, aconteceu um embate traseiro, sem consequências para os condutores na avenida D. Pedro. Às 15h30,...

DGS garante que dados em Portugal são fiáveis

A directora-geral da Saúde garantiu hoje que os dados sobre o número de casos de covid-19 em Portugal são fiáveis, observando que...

Não portugueses e estrangeiros sem residência têm de pagar teste em Portugal

Os cidadãos não portugueses ou estrangeiros sem residência em Portugal que não tenham teste negativo à covid-19 à chegada têm de o...