Início Nacional Covid-19: Sindicato Independente dos Médicos apoia uso generalizado de máscara

Covid-19: Sindicato Independente dos Médicos apoia uso generalizado de máscara

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) apoia “o uso, por toda a população, de máscaras de protecção individual nos espaços públicos” para protecção face à pandemia de covid-19, anunciou ontem aquele organismo em comunicado.

“O uso de uma máscara cirúrgica, bem colocada e manuseada, protege aqueles que nos rodeiam. E se todos o fizermos sempre que circulamos em público, todos estaremos mais protegidos. O uso de máscara não dispensará, contudo, o distanciamento social, a etiqueta respiratória ou a lavagem frequente das mãos”, pode ler-se no comunicado daquele sindicato.

A defesa deste uso surge enquadrada no movimento “Máscara Para Todos”, cuja comissão científica inclui o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, bem como o reitor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Fausto Pinto, além de Filipe Froes, Miguel Moura Guedes, Paulo Neves e Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública.

A 7 de Abril, Miguel Guimarães já se tinha mostrado favorável à utilização de máscaras de protecção pela população.

“A utilização de máscara serve para evitar que eu passe a infecção a outra pessoa”, disse Miguel Guimarães, recomendando a utilização deste equipamento de protecção individual para “toda a gente que frequente locais públicos”, incluindo nos hospitais, centros de saúde e superfícies comercias, como, por exemplo, supermercados.

A medida também acolhe parecer positivo da vice-presidente da Ordem dos Psicólogos, Isabel Trindade, que explicou que esta utilização “faz todo o sentido”, mas não se pode “dizer à população para utilizar máscaras se a população não tem acesso” a estes equipamentos.

O SIM cita ainda um relatório de 8 de Abril do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC, na sigla inglesa), que admite o uso generalizado de máscaras pela população em locais fechados e com muita gente, apenas como complementar à etiqueta respiratória e distância de segurança.

Com o uso das máscaras há o risco de uma falsa sensação de segurança, sustenta o relatório, porque pode levar as pessoas a distraírem-se, por exemplo, da distância física, alertando também que é importante saber remover a máscara e que a remoção de forma errada pode aumentar o risco.

Aconselha a que qualquer recomendação sobre o uso de máscaras faciais na comunidade “leve em consideração a falta de evidência, a oferta deste material e os possíveis efeitos colaterais negativos”.

Os peritos do ECDC defendem também que o uso de máscaras médicas pelos profissionais de saúde deve ter prioridade sobre o uso na comunidade.

Pub

Leia também

Let’s Build Happiness – projecto de solidariedade

Pelo quarto ano consecutivo, a Escola Profissional da Figueira da Foz e o INTEP irão implementar o projecto de solidariedade social “Let's Build Happiness”. As...

Mar e regresso do ensino superior nas prioridades de Santana Lopes

O independente Pedro Santana Lopes tomou hoje posse como presidente da Câmara da Figueira da Foz, eleito pelo movimento “Figueira a Primeira”, e assumiu...

“Outono ao som dos cavaquinhos” no CAE e no Auditório Municipal

«Outono ao Som dos Cavaquinhos» é uma iniciativa do Grupo de Cavaquinhos «Acordes da Foz», que se realiza dias 9, 23 e 30 de Outubro,...

“Heróis da Fruta” para prevenir obesidade infantil também na Figueira

No distrito de Coimbra, 35 escolas já aderiram este ano lectivo ao projecto “Heróis da Fruta”, promovido desde 2011 pela Associação Portuguesa Contra a...

Prémio Nacional “Gandhi – Educação para a Cidadania” distingue também a Figueira

Realizou-se ontem no Centro Hindu em Lisboa, a cerimónia de entrega da primeira edição dos Prémios Gandhi - Educação para a Cidadania, sendo o...