Início Nacional Covid-19: Sindicato Independente dos Médicos apoia uso generalizado de máscara

Covid-19: Sindicato Independente dos Médicos apoia uso generalizado de máscara

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) apoia “o uso, por toda a população, de máscaras de protecção individual nos espaços públicos” para protecção face à pandemia de covid-19, anunciou ontem aquele organismo em comunicado.

“O uso de uma máscara cirúrgica, bem colocada e manuseada, protege aqueles que nos rodeiam. E se todos o fizermos sempre que circulamos em público, todos estaremos mais protegidos. O uso de máscara não dispensará, contudo, o distanciamento social, a etiqueta respiratória ou a lavagem frequente das mãos”, pode ler-se no comunicado daquele sindicato.

A defesa deste uso surge enquadrada no movimento “Máscara Para Todos”, cuja comissão científica inclui o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, bem como o reitor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Fausto Pinto, além de Filipe Froes, Miguel Moura Guedes, Paulo Neves e Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública.

A 7 de Abril, Miguel Guimarães já se tinha mostrado favorável à utilização de máscaras de protecção pela população.

“A utilização de máscara serve para evitar que eu passe a infecção a outra pessoa”, disse Miguel Guimarães, recomendando a utilização deste equipamento de protecção individual para “toda a gente que frequente locais públicos”, incluindo nos hospitais, centros de saúde e superfícies comercias, como, por exemplo, supermercados.

A medida também acolhe parecer positivo da vice-presidente da Ordem dos Psicólogos, Isabel Trindade, que explicou que esta utilização “faz todo o sentido”, mas não se pode “dizer à população para utilizar máscaras se a população não tem acesso” a estes equipamentos.

O SIM cita ainda um relatório de 8 de Abril do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC, na sigla inglesa), que admite o uso generalizado de máscaras pela população em locais fechados e com muita gente, apenas como complementar à etiqueta respiratória e distância de segurança.

Com o uso das máscaras há o risco de uma falsa sensação de segurança, sustenta o relatório, porque pode levar as pessoas a distraírem-se, por exemplo, da distância física, alertando também que é importante saber remover a máscara e que a remoção de forma errada pode aumentar o risco.

Aconselha a que qualquer recomendação sobre o uso de máscaras faciais na comunidade “leve em consideração a falta de evidência, a oferta deste material e os possíveis efeitos colaterais negativos”.

Os peritos do ECDC defendem também que o uso de máscaras médicas pelos profissionais de saúde deve ter prioridade sobre o uso na comunidade.

Pub

Leia também

Casino reabre com temas primaveris

O Casino Figueira reabriu sob a alçada da campanha “Primavera”, com o intuito de apostar numa comunicação informal, “colorida e sensorial”, traduzindo um ambiente...

Três novos casos nas últimas 24h

O concelho da Figueira da Foz registou hoje três novos casos de pessoas infectadas com covid-19, totalizando o número de casos registados desde Março...

Pesca da sardinha autorizada a partir de 17 de Maio

A pesca da sardinha reabre às 00h00 de 17 de Maio, segundo despacho ontem publicado, que levanta uma proibição com quase sete meses, com...

Figueira da Foz vai contar os seus azulejos

O município da Figueira da Foz tem em curso um levantamento do património de azulejos do concelho, através do reconhecimento e registo fotográfico para...

Transposição de areias para tratar erosão a sul da Figueira da Foz só em 2023

A transposição de três milhões de metros cúbicos de areia, de norte para sul do Mondego, na Figueira da Foz, só deverá começar em...