Início Nacional Covid-19: Médicos alertam que viseiras não substituem máscaras e querem mudança da...

Covid-19: Médicos alertam que viseiras não substituem máscaras e querem mudança da lei

A Ordem dos Médicos e o Conselho de Escolas Médicas Portuguesas alertam para os riscos que a utilização de viseiras, em vez de máscaras, representa em termos de saúde pública e pedem que o governo altere a legislação.

Num comunicado conjunto, consideram que a legislação publicada a 01 de Maio, que equipara as máscaras às viseiras, pode comprometer os resultados obtidos até agora no combate à pandemia da covid-19 pois a viseira “é um bom elemento de protecção a nível ocular, confere alguma protecção das vias áreas a quem a usa, mas não confere protecção às outras pessoas”.

“Não existem estudos sólidos sobre o impacto da utilização da viseira, como alternativa à máscara, na redução do risco de contágio pelo novo coronavírus em termos de infecção através das vias aéreas”, insistem.

A posição das escolas médicas e da Ordem dos Médicos está em linha com a da directora-geral da Saúde, que na segunda-feira alertou que as viseiras de protecção facial não dispensam a utilização de máscara, considerando que, apesar da sua utilidade, devem sempre ser complementadas por um “método de barreira que permita tapar a boca e o nariz”.

“[A viseira] protege muito bem os olhos, protege muito bem o nariz, mas já não protege tão bem, porque é aberta em baixo, [as] gotículas expelidas através do espirro, da tosse, ou mesmo da fala”, explicou Graça Freitas.

A OM e o Conselho de Escolas Médicas Portuguesas recordam que quem utiliza uma máscara, “para além de se proteger, a pessoa está a proteger o outro, e vice-versa” e insistem que “a utilização de viseira não deve dispensar o uso em simultâneo de outros equipamentos de protecção individual adequados, como a máscara”.

O decreto-lei n.º 20/2020, publicado no dia 01 de Maio em Diário da República, definiu a obrigatoriedade do uso de máscaras ou viseiras para o acesso ou permanência nos espaços e estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, nos serviços e edifícios de atendimento ao público e nos estabelecimentos de ensino e creches, além dos transportes públicos.

A OM e o Conselho de Escolas Médicas recomendam que o artigo referente às máscaras e viseiras seja alterado e que passe a considerar obrigatório o uso de máscaras, reservando as viseiras para protecção adicional ou, em circunstâncias excepcionais, quando for impossível o uso de máscaras.

“Numa altura em que vários estabelecimentos estão a contactar os seus clientes partilhando a informação tecnicamente incorrecta, o Conselho de Escolas Médicas Portuguesas e a Ordem dos Médicos pedem que Governo reveja o diploma com carácter de urgência para não comprometer o regresso progressivo das várias actividades”, acrescentam.

Pub

Leia também

Figueira: a mais procurada

O Jornal da Madeira escreveu a notícia que “a Jetcost.pt analisa regularmente as pesquisas realizadas no seu site, para que assim sejam obtidos dados mais...

Detido suspeito de provocar cinco incêndios na Figueira da Foz

A Policia Judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção de um homem suspeito de atear cinco incêndios florestais no concelho da Figueira da Foz. O detido...

Peça de teatro “Chovem Amores na Rua do Matador”

O Centro de Artes e Espectáculos (CAE) apresenta, no dia 23, pelas 22 horas, no Auditório Municipal, a peça de teatro "Chovem Amores na...

Homem colhido mortalmente por ambulância junto ao Hospital

Um homem morreu hoje na Figueira da Foz após ter sido atropelado na última madrugada quando estava caído junto ao hospital da cidade, confirmaram...

Naval Remo participou no Campeonato Regional de Velocidade

No fim-de-semana passado, teve lugar, na pista de remo de Montemor-o-Velho, o Campeonato Regional de Velocidade de Remo, em que participaram seis clubes com...