Início Educação Instituto Superior de Engenharia de Coimbra vai formar professores de São Tomé

Instituto Superior de Engenharia de Coimbra vai formar professores de São Tomé

O Instituto Superior de Engenharia de Coimbra vai formar professores da Universidade de São Tomé e Príncipe em várias áreas de engenharia e capacitar profissionais para a indústria do petróleo, anunciou hoje o seu presidente, Mário Velindro.

Em declarações à agência Lusa, Mário Velindro explicou que as primeiras ações deverão começar em outubro, no âmbito de um protocolo de cooperação celebrado entre o instituto e a universidade.

Segundo Mário Velindro, a Universidade de São Tomé e Príncipe “tem necessidade de qualificar docentes, porque alguns não têm o mestrado concluído e outros não o iniciaram”.

A estes professores, que serão “entre 25 e 30”, será dada formação avançada em várias áreas de engenharia, nomeadamente civil, eletrónica, mecânica e informática, tanto em Coimbra como em São Tomé.

O responsável referiu que, como a Universidade de São Tomé e Príncipe “tem uma ligação forte à Agência Nacional do Petróleo e, em 2021, pensa-se que sejam abertos os primeiros poços na fronteira comum”, serão também dadas formações específicas para profissionais da indústria do petróleo.

“Estão a antever o futuro e querem começar a preparar técnicos que deem resposta às necessidades”, criando assim oportunidades de trabalho para alguma mão-de-obra local, frisou.

O protocolo tem como objetivo “desenvolver uma ampla e eficaz colaboração em temas de interesse comum, tendo como particular enfoque o processo de transmissão de conhecimento em matérias da competência de ambas as partes”.

Para que tal aconteça, além de ações de formação a estudantes, professores, investigadores e profissionais da indústria, o instituto de Coimbra e a universidade são-tomense vão organizar simpósios, conferências e ‘workshops’.

Outra vertente do protocolo é a iniciação à programação informática, que Mário Velindro considera que poderá abranger, “pelo menos, 500 jovens numa primeira fase”, preparando-os para criarem conceitos matemáticos e computacionais básicos através da linguagem de programação Scratch.

Na sua opinião, atendendo à grande percentagem de jovens que existem em São Tomé e Príncipe, a sua formação nesta área dará um grande potencial ao país.

Pub

Leia também

Figueira da Foz é cidade há 138 anos

Hoje comemora-se o 138.º aniversário da elevação da Figueira da Foz a cidade, com o hastear da bandeira do município no edifício...

Mau Tempo: Mais de 150 ocorrências entre as 08:00 e as 17:00

A Proteção Civil registou 150 ocorrências devido ao mau tempo, com Leiria, Coimbra, Porto e Lisboa a serem os distritos mais afetados,...

Figueira ganha prémio nacional da Mobilidade em Bicicleta

O Município da Figueira da Foz foi galardoado com o prémio nacional da mobilidade em bicicleta 2020, na categoria de Autarquias e...

Pais contra as mudanças de sala dos alunos

Os pais e encarregados de educação da turma 1, do 6.º ano de escolaridade da Escola Dr. João de Barros da Figueira...

Mais de 300 médicos de família ainda não foram colocados

Mais de um mês após o lançamento do concurso para colocação dos 365 médicos de família, os especialistas continuam sem trabalhar numa...