Início Regional Coronavírus: Hospitais de Coimbra restringem horários e acessos nas visitas aos doentes

Coronavírus: Hospitais de Coimbra restringem horários e acessos nas visitas aos doentes

0
62

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) restringiu os horários e os acessos das visitas aos doentes e com vista a garantir melhor segurança nas unidades de saúde.

“Portugal encontra-se na fase epidémica da gripe sazonal 2019/2020, agravada pela epidemia causada pelo novo Coronavírus. No sentido de reforçar a segurança de utentes, visitantes e profissionais, tornou-se necessário tomar um conjunto de medidas que garantam a segurança de todos”, justificou o CHUC, em comunicado enviado à agência Lusa.

O tempo de visitas foi restringido ao período entre as 15h00 e as 16h00 e entre as 19h00 as 19h30 e limitado a um visitante por doente.

O acesso das pessoas para visita aos utentes dos pólos Hospital Geral e maternidades Daniel de Matos e Bissaya Barreto faz-se unicamente pela entrada principal, enquanto no Hospital Pediátrico a entrada se faz pela Consulta Externa.

No Hospital Pediátrico, os visitantes entram pela Consulta Externa.

Nestas unidades, o visitante ou acompanhante de referência deve dirigir-se ao posto de recepção para recolha prévia do cartão de visita.

Nos blocos de Celas e no Hospital Sobral Cid, considerando a sua estrutura dividida por pavilhões, o controlo de visitas será efectuado em cada pavilhão.

Nos Hospitais da Universidade de Coimbra, o acesso das visitas é realizado unicamente pela entrada principal e o controlo feito pela empresa de segurança nos períodos definidos, embora o controlo na visita aos doentes (um por cama) seja feito por cada enfermaria.

A medida restritiva levou uma mãe da Lousã a apresentar reclamação no Hospital Pediátrico, por não aceitar que o filho de 14 anos, alvo de uma intervenção cirúrgica recente, não possa estar acompanhado dos pais em simultâneo.

Na reclamação, a que agência Lusa teve acesso, Dulce Pedro considera que a medida, de “forma alguma” se pode aplicar a um hospital pediátrico, onde os doentes são crianças que necessitam do apoio e carinho dos familiares mais próximos, sendo, na sua opinião, “absolutamente reprovável e desumano privarem estas crianças das visitas”.

“Se nos alhearmos ao facto, já doloroso da criança estar num espaço estranho e fora do seu ambiente familiar, não nos podemos alhear do facto da criança necessitar de estar com os dois pais presentes ao mesmo tempo e no horário mais alargado possível, bem como da companhia dos irmãos e avós, no mínimo”.

SEM COMENTÁRIOS