Início Local Santana Lopes assume que não vai adquirir Cabo Mondego devido a suspeições

Santana Lopes assume que não vai adquirir Cabo Mondego devido a suspeições

O presidente da Câmara da Figueira da Foz assumiu hoje que não vai adquirir o Cabo Mondego, cujo negócio estava acertado por 2,1 milhões de euros, na sequência das dúvidas e “suspeições” levantadas pela oposição.

“O PS tem de ser responsabilizado pelo que disse, porque não vou voltar a agendar a questão do Cabo Mondego”, garantiu aos jornalistas Pedro Santana Lopes, no final da reunião do executivo.

A compra estava acertada e a proposta do contracto-promessa de compra e venda esteve agendada inicialmente para a sessão de Câmara de 9 de Novembro, mas viria a ser adiada para 23 de Novembro por solicitação da oposição (PS e PSD), que pretendiam documentos técnicos de suporte à aquisição.

No dia 23 de Novembro, o presidente do município da Figueira da Foz interrompeu a reunião em protesto contra a atitude de “suspeição” da oposição, em maioria no executivo, que acabou por abandonar a reunião e deixar o órgão sem quórum.

Na sessão de hoje, que deu continuidade à agenda de 23 de Novembro, Santana Lopes retirou o ponto da ordem de trabalhos.

No final, aos jornalistas o autarca assumiu que não vai comprar o Cabo Mondego por falta de maioria no executivo.

“Não tenho maioria e não estou para ouvir insinuações a quem não reconheço credibilidade. Deem-me maioria para a próxima (eleição) e resolvemos isso”, sublinhou.

A aquisição do Cabo Mondego incluía as antigas instalações fabris, uma pedreira e 76 hectares de terrenos.

“Estamos num tempo tão difícil, que comprar o Cabo Mondego é uma opção pesada e como já disse, contrair dívida neste mandato para depois ficar só sobre os meus ombros quando todos a pedem, é uma coisa que não estou disposto a fazer”, disse Santana Lopes.

O autarca salientou que, “ao mínimo sinal de falta de consenso que, para mim era indispensável, a compra do Cabo Mondego não prossegue”.

No final da última reunião, em declarações aos jornalistas, a vereadora Diana Rodrigues disse que os eleitos do PS olham para a aquisição do Cabo Mondego “com toda a responsabilidade que o exercício autárquico exige, já que se está a falar de um compromisso financeiro na ordem dos dois milhões de euros”.

“E sentimos que temos a obrigação de esclarecer todas as dúvidas. É um processo complexo, que, em termos de ordenamento do território, congrega uma série de restrições e condicionantes, pelo que temos várias questões do ponto de vista também administrativo que são legítimas”, sublinhou.

Para a autarca, que se manifestou a favor da aquisição, por ser um ponto “absolutamente estratégico” para o município, “é saudável que a oposição coloque questões, esclareça, até para que os próprios munícipes percebam exatamente o que se está a tratar”.

Pub

Leia também

Três detidos em operação da PSP em cinco concelhos de Coimbra e Lisboa

Três homens foram detidos, na terça-feira, por vários crimes praticados nos concelhos de Cantanhede, Coimbra, Figueira da Foz e Montemor-o-Velho, no distrito de Coimbra,...

Energia eólica no mar da Figueira da Foz pode criar mais de sete mil empregos

A concretização do projecto de energias eólicas no mar ao largo da Figueira da Foz por um fundo de investimento dinamarquês pode criar entre...

GNR detém homem detido por furto em armazém industrial

O Comando Territorial de Coimbra da GNR, através do Posto Territorial da Praia de Quiaios, deteve, no domingo, em flagrante, um homem de 25...

Plano Nacional de Cinema no AEZUFF

O Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz (AEZUFF) e o Centro de Artes e Espectáculos dinamizaram a iniciativa “Escola vai...

Bombeiros Voluntários homenagearam o seu presidente

O corpo dos Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz decidiu homenagear o seu presidente, Lídio Lopes, assinalando o marco dos 25 anos da sua...