Início Economia Orçamento para 2023 aprovado por maioria na Assembleia Municipal

Orçamento para 2023 aprovado por maioria na Assembleia Municipal

A Assembleia Municipal da Figueira da Foz aprovou, por maioria, as Grandes Opções do Plano e o Orçamento para 2023 do executivo do independente Pedro Santana Lopes, que atinge os 78,6 milhões de euros (ME).

O documento foi aprovado com 13 votos a favor do movimento Figueira a Primeira, a abstenção de 25 deputados do PS (em maioria no órgão) e do PSD e dois votos contra, um da CDU e outro do BE.

Na discussão dos documentos, o presidente da Câmara salientou que pretende transformar a Figueira da Foz numa “cidade indispensável pelo saber, pela inovação e pelo investimento, particularmente em áreas específicas ligadas ao mar, à floresta, ao ambiente e a domínios onde, pela sua realidade natural, é especialmente habilitada”.

“A estratégia subjacente aos documentos passa por criarmos uma cidade altamente recomendável, seja para viver ou passar férias, e com isso torná-la cada vez mais agradável, com uma boa programação cultural e uma boa prática desportiva”, frisou.

O autarca falou ainda da intenção de desenvolver a Figueira da Foz como cidade universitária, destacando a abertura do campus da Universidade de Coimbra na Quinta das Olaias na próxima terça-feira de manhã, e de promover todas as suas riquezas, desde o mar, o sol, a gastronomia, a serra, o sal, o arroz, as lagoas e a cultura.

Além das preocupações sociais, Santana Lopes falou, ainda, da necessidade de a cidade ter um porto comercial adequado e zonas industriais para receber investimentos, nomeadamente na área do hidrogénio, para a qual tem sido procurada.

João Portugal, líder da bancada socialista, que detém maioria absoluta na Assembleia Municipal, justificou a viabilização do Orçamento, com o facto do presidente da Câmara ter assumido que um milhão de euros de obras nas freguesias não executadas em 2022 transitam para 2023.

O PS já tinha viabilizado o documento no executivo camarário, após um processo negocial que lhe permitiu também incluir algumas propostas, no montante de cerca de 100 mil euros.

Com a abstenção, o PSD justificou que não pretende “obstaculizar” a acção governativa do projecto escolhido nas eleições autárquicas, advertindo que não deixará de “fiscalizar o executivo, exercendo uma oposição atenta e responsável”.

A CDU votou contra por considerar que os fundos previstos para a saúde, educação e ação social “parecem aquém do necessário nos tempos que se avizinham” e que o executivo adota uma política fiscal que não é a mais favorável aos munícipes, particularmente na percentagem do IRS e na taxa do Imposto Municipal sobre Imóveis.

A Assembleia Municipal deu ainda luz verde ao executivo para lançar um concurso público internacional para a contractação de serviços de limpeza e manutenção das praias da Figueira da Foz.

Pub

Leia também

Três detidos em operação da PSP em cinco concelhos de Coimbra e Lisboa

Três homens foram detidos, na terça-feira, por vários crimes praticados nos concelhos de Cantanhede, Coimbra, Figueira da Foz e Montemor-o-Velho, no distrito de Coimbra,...

Energia eólica no mar da Figueira da Foz pode criar mais de sete mil empregos

A concretização do projecto de energias eólicas no mar ao largo da Figueira da Foz por um fundo de investimento dinamarquês pode criar entre...

GNR detém homem detido por furto em armazém industrial

O Comando Territorial de Coimbra da GNR, através do Posto Territorial da Praia de Quiaios, deteve, no domingo, em flagrante, um homem de 25...

Plano Nacional de Cinema no AEZUFF

O Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz (AEZUFF) e o Centro de Artes e Espectáculos dinamizaram a iniciativa “Escola vai...

Bombeiros Voluntários homenagearam o seu presidente

O corpo dos Bombeiros Voluntários da Figueira da Foz decidiu homenagear o seu presidente, Lídio Lopes, assinalando o marco dos 25 anos da sua...