Início Economia Orçamento da Figueira da Foz adiado para negociações entre executivo e oposição

Orçamento da Figueira da Foz adiado para negociações entre executivo e oposição

O presidente do município da Figueira da Foz suspendeu hoje a reunião do executivo para votação do Orçamento e Grandes Opções do Plano para 2022, depois de a oposição ter ameaçado chumbar os documentos.

Pedro Santana Lopes, eleito pelo movimento Figueira à Frente, que venceu as últimas eleições autárquicas sem maioria absoluta, elegendo quatro vereadores, aceitou o repto do socialista Carlos Monteiro, antigo presidente da Câmara, para efectuar algumas alterações.

“Já estava à espera (desta situação), faz parte. Inspirados no modelo da geringonça, vamos tentar fazer negociações”, disse o presidente da Câmara aos jornalistas, depois de ter suspendido a reunião para contactos com os vereadores do PS (4) e do PSD (1).

A reunião será retomada, segundo Santana Lopes, “em dia e hora a fixar”.

O autarca assumiu que deveria ter reunido com a oposição antes de apresentar os documentos.

“Dou-vos razão nesse ponto. Devia ter existido conversas prévias”, referiu, na reunião, o presidente do município, mostrando-se disponível para as negociações e propostas de alteração.

O orçamento para 2022, no montante de cerca de 83,4 milhões de euros, “tem uma preocupação fundamental, que é assegurar a gestão do município neste tempo de incerteza e de excepcionalidade” causada pela pandemia da covid-19, disse.

Santana Lopes disse que o Orçamento “não contém novidades, nem médias nem pequenas, e traduz os compromissos assumidos”, sendo “muito idêntico” ao de 2020, e que não houve “nenhuma orientação a dizer ‘ponham isto ou tirem aquilo do mandato anterior’”.

“A nossa estratégia passou por não haver o mínimo desvio ao que vinha a ser feito, a não ser que fosse um erro crasso”, considerou o autarca, admitindo que, para 2023, possa apresentar um orçamento que já contemple o programa sufragado nas últimas eleições autárquicas.

A oposição, em maioria no executivo, acusou o executivo de não ter estratégia e de apresentar um significativo aumento de despesas correntes, o que Santana Lopes atribui aos compromissos assumidos nos projectos anteriormente candidatados e em fase de aprovação.

“Fico preocupado. O Orçamento parece órfão e sem estratégia, porque não prevê a execução do programa do movimento Figueira à Frente”, salientou o socialista Carlos Monteiro, criticando o aumento de despesa corrente e a falta de inscrição de transferência de verbas para as Juntas de Freguesia.

O único vereador eleito pelo PSD, Ricardo Silva, considerou o documento “uma desilusão, estagnação e despesismo para quem dizia que ia romper com o passado”.

”É um orçamento de continuidade para pior”, disse o social-democrata, queixando-se de o presidente da autarquia não ter consultado a oposição e não ter reunido com os presidentes de Junta de Freguesia.

Pub

Leia também

Figueira: a mais procurada

O Jornal da Madeira escreveu a notícia que “a Jetcost.pt analisa regularmente as pesquisas realizadas no seu site, para que assim sejam obtidos dados mais...

Detido suspeito de provocar cinco incêndios na Figueira da Foz

A Policia Judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção de um homem suspeito de atear cinco incêndios florestais no concelho da Figueira da Foz. O detido...

Peça de teatro “Chovem Amores na Rua do Matador”

O Centro de Artes e Espectáculos (CAE) apresenta, no dia 23, pelas 22 horas, no Auditório Municipal, a peça de teatro "Chovem Amores na...

Homem colhido mortalmente por ambulância junto ao Hospital

Um homem morreu hoje na Figueira da Foz após ter sido atropelado na última madrugada quando estava caído junto ao hospital da cidade, confirmaram...

Naval Remo participou no Campeonato Regional de Velocidade

No fim-de-semana passado, teve lugar, na pista de remo de Montemor-o-Velho, o Campeonato Regional de Velocidade de Remo, em que participaram seis clubes com...