Início Ambiente O último suspiro do freixo

O último suspiro do freixo

Hoje vai ser cortada uma árvore, mas não se trata de uma árvore qualquer. Trata-se de um antigo freixo localizado no Largo Silva Soares (Largo da Misericórdia), com mais de 300 anos de história. Segundo a Câmara Municipal, este freixo foi alvo de uma avaliação fitossanitária e biomecânica, em Junho de 2016 pela empresa Árvores e Pessoas, Lda em que foi referida a sua instabilidade e danificação “ao nível da sua solidez mecânica, com a existência de grandes feridas no tronco e pernadas, nas quais se instalaram fungos lenhívoros e se desenvolveram extensas podridões de lenho que evoluíram para enormes cavidades, as quais afectam profunda e preocupantemente a resistência biomecânica de toda a estrutura da árvore”.

No dia 13 de Outubro de 2018, a situação piorou com os efeitos causados pela tempestade Leslie, tendo esta gravemente danificado os troncos principais do freixo. Passados 13 meses e um novo relatório feito pela mesma empresa, colmatando que “na impossibilidade de diminuir o risco de ruptura da estrutura que lhe resta, a decisão mais prudente é o abate desta árvore – e a sua substituição imediata por outra da mesma espécie – uma vez que a segurança dos utilizadores do espaço está ameaçada”. A Câmara e o seu presidente, Carlos Monteiro, decidiram agir perante o afirmado, marcando o corte deste freixo para dia hoje, 13 de Novembro.

Em tentativa de descobrir a razão por detrás da controvérsia ligada ao corte do tão antigo freixo, O Figueirense foi ao local, para ouvir as vozes das pessoas sensibilizadas com a causa. No meio de uma insatisfação e de um grande lamento pela perda desta árvore histórica, as pessoas discutiam entre si possíveis alternativas à solução apresentada pela autarquia. Umas referiam que o problema era a falta de sensibilização com o tópico, outras com a despreocupação geral das pessoas. Mas no meio de diferentes opiniões, uma delas era igual entre os presentes nesta concentração: “É uma pena ver este freixo a desaparecer, passado tanto tempo”. Luís Fidalgo falou das “festas que aqui se faziam, e que se fizeram ainda neste ano” e que “estas árvores aguentam bem o impacto”, alertando para a problemática ambiental da cidade. Mas também podemos falar em termos “patrimoniais e simbólicos”, como sublinhou Fernando Mendes, adicionando que “já não é o primeiro símbolo de património que perdemos, e as pessoas tendem a arrepender-se de os ver a ir embora”, assinalando a história e o significado deste freixo para a história figueirense. Luís Pena, um dos rostos do Movimento Parque Verde, falou de possíveis alternativas, como “cortar apenas o ramo direito” e “estabelecer um perímetro de segurança, que permitisse salvaguardar a segurança de pessoas e bens assim como a segurança da árvore”.

Apesar de todas as opiniões, o corte da árvore está marcado para esta manhã, às 8 horas, onde algumas das pessoas da concentração de ontem disseram que iriam comparecer, para prestar uma última homenagem a esta árvore.

Leonardo Ramalho

Pub

Leia também

Praias: Balanço nestes primeiros dias

Os concessionários de praia, nomeadamente os da Figueira da Foz, tiveram um primeiro mês de época balnear positivo “em termos de segurança”,...

Porto da Figueira entra numa economia de base circular

O Porto da Figueira da Foz assumiu o compromisso de desenvolver acções que visam a promoção de práticas circulares ao assinar o...

Linha Oeste volta à estação da Figueira da Foz

Passados nove anos desde a última vez em que um comboio veio directamente da linha Oeste para a Figueira da Foz, a...

Figueira e resto do país com temperaturas elevadas até ao final da próxima semana

As temperaturas elevadas no país deverão continuar até à próxima sexta-feira, com os termómetros a atingirem os 35ºC no litoral e 40ºC...

Alunos podem candidatar-se a mestrados e doutoramentos sem terminar ciclo de estudos

Os alunos podem candidatar-se a ciclos de mestrado ou doutoramento sem terem concluído o ciclo de estudos anterior, segundo um diploma hoje aprovado...