Início Local Governo abre 435 vagas para contratar médicos de família, incluindo a Figueira

Governo abre 435 vagas para contratar médicos de família, incluindo a Figueira

O Ministério da Saúde abriu 435 vagas para a contratação de recém-especialistas em Medicina Geral e Familiar, metade das quais na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Segundo um despacho publicado em Diário da República, estão autorizadas 435 vagas para Medicina Geral e Familiar, 216 das quais na região de Lisboa e Vale do Tejo, 86 no Norte, 64 no Centro, 34 no Alentejo e 35 no Algarve.

“Nunca como hoje foi tão necessário que o SNS estivesse à altura dos desafios assistenciais como nesta época em que vivemos sob a ameaça da covid-19. Têm sido várias as medidas, designadamente de reforço dos recursos humanos, que têm vindo a ser tomadas para fazer face a esta pandemia, às quais se deve, em grande medida, o sucesso alcançado, até aqui, no seu combate”, destaca o despacho conjunto dos ministérios da Saúde, Finanças e da Modernização do Estado e da Administração Pública.

Foi igualmente publicado em Diário da República o despacho que fixa os postos de trabalho médico (185 vagas) nas zonas geográficas do país e especialidades definidas como carenciadas.

O documento apresenta a distribuição das vagas e as maiores necessidades estão identificadas em zonas como o Algarve, Alentejo, nordeste transmontano e as beiras alta e interior.

Das vagas que dão direito a incentivos aos clínicos que se fixem nestas unidades com maiores necessidades de determinadas especialidades, 41 referem-se a Medicina Geral e Familiar, 140 a especialidades hospitalares e quatro a Saúde Pública. O Hospital Distrital da Figueira da Foz abriu apenas uma vaga, pertencente à área hospitalar.

No total são 140 vagas para a área hospitalar com direito a incentivos, distribuídas por dezenas de entidades de saúde e 31 especialidades. Entre elas estão, por exemplo, anestesiologia, ginecologia/obstetrícia, gastrenterologia, cardiologia, cirurgia geral, medicina física e de reabilitação, neurologia, oftalmologia, oncologia médica, ortopedia, otorrinolaringologia e pediatria.

Estas necessidades foram identificadas “de acordo com os critérios definidos na lei – níveis de desempenho assistencial, número de médicos face à densidade populacional da área abrangida pela unidade de saúde, a distância geográfica relativamente a outras unidades de saúde e a capacidade formativa dos serviços e estabelecimentos de saúde”, refere o Ministério da Saúde, em comunicado.

Reconhecendo a assimetria geográfica na distribuição do pessoal médico, o Governo atribui um conjunto de incentivos aos profissionais que se candidatem a estes postos de trabalho, quer pela via da mobilidade, quer através da celebração de novos contratos, como o “acréscimo da remuneração base de 40%, um reforço de dois dias de férias, a possibilidade de participação em actividades de investigação clínica e maior facilidade de mobilidade também para os cônjuges”, sublinha.

Pub

Leia também

Mau Tempo: Mais de 150 ocorrências entre as 08:00 e as 17:00

A Proteção Civil registou 150 ocorrências devido ao mau tempo, com Leiria, Coimbra, Porto e Lisboa a serem os distritos mais afetados,...

Figueira ganha prémio nacional da Mobilidade em Bicicleta

O Município da Figueira da Foz foi galardoado com o prémio nacional da mobilidade em bicicleta 2020, na categoria de Autarquias e...

Pais contra as mudanças de sala dos alunos

Os pais e encarregados de educação da turma 1, do 6.º ano de escolaridade da Escola Dr. João de Barros da Figueira...

Mais de 300 médicos de família ainda não foram colocados

Mais de um mês após o lançamento do concurso para colocação dos 365 médicos de família, os especialistas continuam sem trabalhar numa...

Protecção Civil emite recomendações para próximos dias de mau tempo

A Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) emitiu hoje recomendações para as próximas 48 horas devido às previsões de chuva...