Início Local Elsa e Fabien: levantamento inicial aponta prejuízos de 13ME na CIM Região...

Elsa e Fabien: levantamento inicial aponta prejuízos de 13ME na CIM Região de Coimbra

O primeiro levantamento dos estragos provocados pelo mau tempo na área da Comunidade Inter-municipal (CIM) da Região de Coimbra, em Dezembro, aponta para prejuízos na ordem dos 13 milhões de euros, valor divulgado pelo presidente da CIM Região de Coimbra, José Carlos Alexandrino, numa reunião com a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, realizada em Coimbra para analisar o processo de descentralização de competências.

“Há um primeiro levantamento dos nossos municípios, ainda sem um grande rigor, que aponta para 13 milhões de euros, que é um valor enorme”, salientou, no final, aos jornalistas, acrescentando que a intempérie de Dezembro motivou a activação do Plano de Emergência Distrital.

O autarca de Oliveira do Hospital disse esperar que o “Governo encontre soluções”, até porque a tempestade Leslie, em Outubro de 2018, “tem já no Orçamento do Estado uma verba prevista”.

Relativamente aos prejuízos provocados pela depressão Elsa na CIM Região de Coimbra, em Dezembro, a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública disse que a situação terá de ser analisada, já que os estragos ocorreram após a entrega da proposta do Orçamento do Estado para 2020.

Alexandra Leitão salientou ainda que o Governo “está a fazer um esforço muito sério no sentido de assegurar que este ano seja marcado por uma transferência de verbas para as autarquias, com crescimento na casa dos 9,7%, e que poderá ser reforçado”.

“É também com este aumento das transferências do Estado para as autarquias que uma coisa muito importante vai ser acautelada – a necessidade de muitas autarquias têm de redimensionar, em alta, os seus serviços para poderem fazer face às competências que recebem”, sublinhou.

Segundo a ministra, além das verbas que são transferidas no quadro da própria descentralização, “este aumento das transferências para as autarquias que está já hoje na proposta de lei do Orçamento é muito importante”.

Os efeitos do mau tempo em Dezembro de 2019 provocaram três mortos e deixaram 144 pessoas desalojadas e outras 352 deslocadas por precaução, registando-se mais de 11.600 ocorrências, na maioria inundações e quedas de árvores.

O mau tempo, provocado pela depressão Elsa, entre os dias 18 e 20 de Dezembro de 2019, a que se juntou no dia 21 a depressão Fabien, provocou também condicionamentos na circulação rodoviária e ferroviária, bem como danos na rede eléctrica, afectando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.

Pub

Leia também

Dez de Agosto faz hoje 140 anos

Em tempos de pandemia, a programação é online, segundo apurou "O Figueirense". Conforme refere o programa comemorativo destes 140 anos da Sociedade Filarmónica Dez de Agosto, é...

João Ribeiro destaca-se nos nacionais de canoagem com os títulos em K1 200 e 500

O canoísta olímpico João Ribeiro conquistou ontem os títulos nacionais de velocidade em K1 200 e 500 metros, distância na qual venceu...

Portugueses são dos europeus que demonstram maior vontade em vacinar-se

Os portugueses são dos europeus que demonstram maior vontade em vacinar-se contra a covid-19, com um em cada quatro a manifestar essa...

“Há Cinema na Freguesia” – clássicos de comédia portuguesa vão ser exibidos em várias freguesias da Figueira

Foi esta manhã apresentado, em conferência de imprensa, no Salão Nobre dos Paços do Município, pelo Presidente da autarquia, Carlos Monteiro, o...

Apanhado o suspeito por danos patrimoniais no mural de Buarcos

Na sequência de denúncia apresentada pelo autarca da Junta da Freguesia de Buarcos/São Julião, recebida pela PSP da Figueira da Foz no dia...