Início Local Criada equipa de cuidados continuados ao domicílio para actuar no Baixo Mondego

Criada equipa de cuidados continuados ao domicílio para actuar no Baixo Mondego

A equipa comunitária de suporte em cuidados paliativos do Baixo Mondego entra em funções na segunda-feira, abrangendo numa primeira fase os municípios da Figueira da Foz, Montemor-o-Velho, Cantanhede e Mira, foi ontem anunciado.

“Era uma lacuna nesta zona do Baixo Mondego, e ainda é no país, e foi essa consciência que nos determinou a empenharmo-nos neste projecto para dar resposta às necessidades”, disseram à agência Lusa os coordenadores da equipa Raquel Ferreira (médica) e Vítor Rua (enfermeiro).

A equipa, ontem apresentada no auditório do Museu Municipal Rocha Santos, na Figueira da Foz, é constituída, nesta primeira fase, por dois médicos e cinco enfermeiros, contando ainda com o apoio da equipa psicossocial (psicólogo e assistente social) do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Coimbra.

A sua missão é dar resposta às pessoas adultas com doenças crónicas severas, progressivas e incuráveis, com sintomatologia complexa, e apoio às suas famílias.

Numa segunda fase, a partir de Outubro de 2022, a equipa vai alargar a sua prestação de serviço domiciliário especializado a pessoas adultas com doenças avançadas e suas famílias aos seis centros de saúde do município de Coimbra.

Nesta altura, a equipa será reforçada com mais dois médicos, dois enfermeiros e mais horas de apoio psicossocial.

Em Abril de 2023, o projecto será alargado aos restantes municípios do Baixo Mondego: Condeixa-a-Nova, Mealhada, Mortágua, Penacova e Soure.

A equipa comunitária de suporte em cuidados paliativos do Baixo Mondego, que fica sediada no Centro de Saúde de Cantanhede, vai abranger, no total, 380 mil pessoas.

Funciona de segunda a sexta-feira, das 9 às 18 horas, e ao sábado das 9 às 13 horas, com disponibilidade para atendimento por telefone aos fins de semana e feriados e atendimento presencial em caso de crise.

O projecto é financiado pela Fundação La Caixa, no âmbito de uma candidatura, que, durante cinco anos, vai atribuir uma verba de 150 mil euros para o funcionamento da equipa.

“Esperemos que o projecto seja duradouro e tenha continuidade para sempre. O objectivo é dar continuidade depois do financiamento e que as entidades competentes continuem o projecto”, frisou Raquel Ferreira.

Pub

Leia também

Figueira: a mais procurada

O Jornal da Madeira escreveu a notícia que “a Jetcost.pt analisa regularmente as pesquisas realizadas no seu site, para que assim sejam obtidos dados mais...

Detido suspeito de provocar cinco incêndios na Figueira da Foz

A Policia Judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção de um homem suspeito de atear cinco incêndios florestais no concelho da Figueira da Foz. O detido...

Peça de teatro “Chovem Amores na Rua do Matador”

O Centro de Artes e Espectáculos (CAE) apresenta, no dia 23, pelas 22 horas, no Auditório Municipal, a peça de teatro "Chovem Amores na...

Homem colhido mortalmente por ambulância junto ao Hospital

Um homem morreu hoje na Figueira da Foz após ter sido atropelado na última madrugada quando estava caído junto ao hospital da cidade, confirmaram...

Naval Remo participou no Campeonato Regional de Velocidade

No fim-de-semana passado, teve lugar, na pista de remo de Montemor-o-Velho, o Campeonato Regional de Velocidade de Remo, em que participaram seis clubes com...