Início Economia Empresas do interior do distrito de Coimbra querem acesso ágil às ajudas...

Empresas do interior do distrito de Coimbra querem acesso ágil às ajudas do Estado

As micro-empresas do interior do distrito de Coimbra mostram-se satisfeitas com a renovação dos apoios excepcionais ao sector, mas querem o Governo deve agilizar o acesso às ajudas, defendeu hoje a Associação Empresarial Serra da Lousã (AESL).

Em declarações à agência Lusa, o presidente da AESL, Carlos Alves, lamentou que a dotação de 50 milhões de euros inicialmente disponibilizada no âmbito do programa Adaptar Micro tenha “esgotado em apenas 10 dias, muito antes de chegar a um número aceitável de empresas”.

“Não é compreensível que um apoio que tem como objectivo apoiar a parte do tecido empresarial com maior representação não tenha um tecto orçamental mais elevado”, referem em comunicado quatro associações empresariais da região que, nos últimos meses, têm assumido posições públicas conjuntas.

Na quinta-feira, no âmbito do Programa de Estabilização Económica e Social, o Governo aprovou o Adaptar 2.0, com apoios a estabelecimentos comerciais e consultoria a micro-empresas, para adaptação destas à actual fase da pandemia da covid-19.

“É um apoio importante para as empresas, mas tem de ser amanhã. Vamos é pôr isto no terreno rapidamente”, disse hoje Carlos Alves.

O empresário recordou que “já estão perdidos 10 dias”, uma vez que o Adaptar Micro “abriu a 15 de Maio e fechou no dia 25”.

Na quinta-feira, no final do Conselho de Ministros, o executivo divulgou o Adaptar 2.0, que contempla “adaptação e modernização de estabelecimentos comerciais, financiando investimentos na adaptação ao contexto covid-19, em frentes de loja, áreas de acesso ao público”, entre outras ajudas.

“Ficamos muito contentes, o Estado ouviu as empresas. Não queremos é esperar mais dias”, reagiu hoje o presidente da AESL.

Esta semana, num comunicado conjunto, a AESL, com sede na Lousã, e as associações empresariais congéneres de Vila Nova de Poiares, Miranda do Corvo e Penela lamentaram a suspensão do programa Adaptar Micro, considerando “urgente o seu relançamento, para assim apoiar as micro-empresas nas despesas extra que têm de suportar para a adaptação ao contexto” da pandemia.

“A dotação deste programa conseguiu acolher pouco mais de 17 mil micro-empresas, num universo de mais de 100 mil, ou seja, cerca de 83% das micro-empresas não tiveram oportunidade para se candidatar a este apoio”, sublinharam.

Subscreveram aquela nota a Associação Empresarial Serra da Lousã, a Associação Empresarial de Poiares, o Clube de Empresários de Miranda do Corvo e o Núcleo Empresarial de Penela, que representam centenas de firmas da região.

Pub

Leia também

Acidentes rodoviários marcaram ontem a Figueira

Ontem de manhã, mais precisamente às 10h15, aconteceu um embate traseiro, sem consequências para os condutores na avenida D. Pedro. Às 15h30,...

DGS garante que dados em Portugal são fiáveis

A directora-geral da Saúde garantiu hoje que os dados sobre o número de casos de covid-19 em Portugal são fiáveis, observando que...

Não portugueses e estrangeiros sem residência têm de pagar teste em Portugal

Os cidadãos não portugueses ou estrangeiros sem residência em Portugal que não tenham teste negativo à covid-19 à chegada têm de o...

Coliseu Figueirense com plano de animação de verão

Entre Julho e Agosto estão previstos vários concertos musicais no redondel do Coliseu Figueirense. No ano que assinala 125 anos, o recinto...

Fogo na sede da Naval foi há 23 anos

Foi no dia 4 de Julho de 1997, que a Associação Naval 1.º de Maio viu o fogo destruir a sua sede,...