Início Cultura Gestor Bernardo Alabaça é o novo director-geral do Património Cultural

Gestor Bernardo Alabaça é o novo director-geral do Património Cultural

O gestor Bernardo Alabaça é o novo director-geral do Património Cultural, substituindo no cargo Paula Araújo da Silva, anunciou o ministério da Cultura.

“Bernardo Alabaça será o novo director-geral do Património Cultural, integrando igualmente a nova equipa Fátima Marques Pereira e Rui Santos. João Carlos Santos manter-se-á subdirector”, refere a tutela, num comunicado hoje divulgado.

A nova equipa directiva da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC) inicia funções em 24 de Fevereiro.

Segundo o Governo, a mudança na DGPC insere-se na “implementação de um novo ciclo de políticas públicas para o património cultural e para as artes”.

“Este novo ciclo exige uma nova equipa para a Direcção Geral do Património Cultural (DGPC), constituída por uma complementaridade de diferentes competências e perfis adequados aos novos desafios”, justifica.

De acordo com o Ministério da Cultura, Bernardo Alabaça “apresenta um currículo com 20 anos de experiência de gestão, maioritariamente de património público, tendo sido Director-Geral de Infraestruturas do Ministério da Defesa Nacional e Subdirector-Geral do Tesouro e Finanças do Ministério das Finanças”.

“Mestre em Finanças pelo ISCTE, tem ainda desenvolvido actividade como docente nessa instituição e na Porto Business School”, acrescenta.

De acordo com informação disponível no ‘site’ oficial da Porto Business School, Bernardo Alabaça “foi director de desenvolvimento na Edifer Imobiliária e responsável pelo departamento de Desenvolvimento e Promoção Imobiliária na CBRE”.

Já o ISCTE destaca, no seu ‘site’ oficial, que Bernardo Alabaça é “sócio-gerente da empresa Valueinsight” e “conta com uma experiência de mais de 20 anos no mercado imobiliário”.

Ao longo da carreira, o gestor “passou por empresas como Estradas de Portugal, ANA, Sagestamo, Parpública, Pelicano e Edifer”.

Além disso, Bernardo Alabaça foi, na década de 2010, vogal do conselho de administração da Parvalorem e vogal não executivo do conselho de administração da Parups, empresas que foram criadas em 2010 para gerir os activos e recuperar os créditos do ex-BPN.

Bernardo Alabaça substitui no cargo de director-geral do Património a arquitecta Paula Silva, nomeada em 2016. Ambos foram nomeados em regime de substituição.

O gestor assume o cargo numa altura em que está a ser posto em prática o novo regime jurídico de autonomia de gestão dos museus, monumentos e palácios.

Este novo regime, que gerou expectativas e críticas dos museólogos, por alguns considerarem insuficiente para resolver os problemas do sector, trouxe também a criação do grupo de projecto para os “Museus no Futuro”, que irá pensar o modelo a seguir nesta área, dentro de dois anos.

Em Janeiro, a ministra da Cultura, Graça Fonseca garantiu no Parlamento que o Património Cultural “é prioridade do Governo” e realçou “a importância de um documento de planeamento e calendarização de recuperação do património”.

A ministra sublinhou que, para este ano, estão “calendarizados muitos investimentos, alguns que vêm de 2019, e é necessário prever agora investimentos para os próximos anos”.

Entre os “investimentos prioritários” do Governo estão a instalação do Museu Nacional da Música no Palácio Nacional de Mafra, a instalação do Museu do Tesouro Real e a conservação das reservas arqueológicas e museológicas de São Bento de Castris.

A nota explicativa que acompanhou a audição de Graça Fonseca, publicada na página do Orçamento do Estado para 2020, no ‘site’ do Parlamento, enumera ainda, entre as prioridades, a recuperação e valorização da Fortaleza de Peniche e da Sé Patriarcal de Lisboa, a instalação do Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática (CNANS), intervenções no Convento de Cristo, Mosteiro de Alcobaça e Mosteiro da Batalha, o Museu Nacional Machado de Castro – Igreja de S. João de Almedina, o Centro Expositivo da Fortaleza de Sagres, a Igreja Santa Clara do Porto e as rotas Castelos, Catedrais e Mosteiros a Norte.

Além de Bernardo Alabaça, a nova equipa directiva da DGPC integra três subdirectores: João Carlos Santos, que se mantém no cargo, Fátima Marques Pereira e Rui Santos.

Segundo o Ministério da Cultura, Fátima Marques Pereira “vem reforçar a equipa com competências nas áreas da arte contemporânea, políticas museológicas e gestão de colecções”.

Fátima Marques Pereira demitiu-se em Janeiro do cargo de directora do Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas, nos Açores, que ocupava desde 2015.

Doutorada em História e autora de vários projectos artísticos e culturais, Fátima Marques Pereira foi subdirectora-geral das Artes quando Maria Gabriela Canavilhas era ministra da Cultura. Além disso, “exerceu diversos cargos de gestão académicos e científicos”.

Rui Santos, segundo o ministério, “apresenta experiência em gestão e operacionalização de fundos estruturais e reforça as competências da DGPC nas áreas financeiras e de gestão de recursos humanos”.

“Exerceu funções de Secretário Técnico do Programa Operacional de Valorização do Território e de outros programas operacionais, no âmbito do Portugal 2020. É licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra”, lê-se no comunicado.

Pub

Leia também

Presidente da República promulga uso obrigatório de máscara na rua por 70 dias

O Presidente da República promulgou hoje o decreto da Assembleia da República que determina o uso obrigatório de máscara na rua, por...

Costa de Portugal sob aviso amarelo devido à agitação do mar

Toda a costa de Portugal continental e da Madeira estão hoje sob aviso amarelo devido à previsão de agitação marítima, com ondas...

Equipa sénior de basquetebol do Ginásio Figueirense em isolamento

Os 12 jogadores da equipa sénior de basquetebol do Ginásio Clube Figueirense (GCF) estão em isolamento profilático, depois de terem sido confirmados...

Detidos por cumprimento do mandado de detenção

Anteontem pelas 9h45, na Rua do Chalet na Figueira da Foz, um homem de 23 anos foi detido pela PSP, “dado pender sobre...

Farmácias com vacinas da gripe esgotadas

O Governo disponibilizou 10 mil doses de vacinas da gripe para os profissionais das farmácias comunitárias no início desta semana, completando assim...