Início Ciência Universidade de Coimbra apresenta coleção de culturas de bactérias com a indústria...

Universidade de Coimbra apresenta coleção de culturas de bactérias com a indústria na mira

A coleção de culturas de bactérias da Universidade de Coimbra, a primeira registada e reconhecida pela Federação Mundial de Coleções de Cultura, foi apresentada hoje, no Exploratório de Coimbra, no âmbito do Dia Internacional do Microrganismo.

“O nosso objetivo é salvaguardar a diversidade e o património biológico português”, disse, na apresentação a coordenadora da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), Paula Morais, gestora do projeto, que escutou palavras de incentivo do vice-reitor da Universidade, Luís Simões da Silva.

Paula Morais destacou a importância que a coleção pode representar como fonte de receitas para a UC, através da venda de bactérias para utilização por parte da indústria, expressando a vontade de “dar bom nome” a estes microrganismos.

“Queremos que as bactérias sejam vistas como algo extremamente positivo”, frisou a investigadora, acrescentando que, “além de contribuir para a salvaguarda do património biológico português e para a implementação da Convenção das Nações Unidas para a Diversidade Biológica, esta coleção disponibiliza recursos microbianos confiáveis e relevantes para a comunidade científica nacional e internacional, bem como para a indústria”.

Instalada na plataforma técnica do Departamento de Ciências da Vida da FCTUC, a coleção, criopreservada e parcialmente disponível ‘online’ para compra, apresenta 31 novas espécies de bactérias e divide-se em três ramos, conforme a sua origem: ambiental, humana ou interativa.

É constituída por bactérias isoladas por investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia e da Faculdade de Farmácia, de amostras de vários ambientes, designadamente bactérias isoladas a partir de amostras de doentes internados em hospital, em particular isoladas de Helicobacter, Pseudomonas aeruginosa e Staphylococcus.

Contém também bactérias isoladas de água e sedimentos de zonas hidrotermais no fundo do oceano, bactérias isoladas de plantas, endofíticas ou patogénicas, bactérias isoladas de rãs, de nemátodos, entre outras.

A apresentação decorreu no âmbito do Dia Internacional do Microrganismo, que tem como objetivo divulgar e promover a Microbiologia como “vasta área de atividade profissional e de carreira e consciencializar a sociedade para o papel essencial que estes seres vivos muito diversos desempenham nas Ciências da Vida, no ambiente e desenvolvimento sustentável, na saúde e qualidade de vida, bem como sobre o seu potencial como produtores de materiais em Biotecnologia”.

O Dia Internacional do Microrganismo é promovido em Portugal pela Sociedade Portuguesa de Microbiologia (SPM), em parceria com a Ciência Viva – Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, a Ordem dos Biólogos (OBio) e a Sociedade Portuguesa de Ecologia (SPECO), com o alto patrocínio da Comissão Nacional da UNESCO (CNU).

A FEMS (Federation of the European Microbiology Societies) apoia internacionalmente o Dia “através da sua vasta rede de profissionais da Microbiologia”, informa a Universidade de Coimbra.

Pub

Leia também

Praias: Balanço nestes primeiros dias

Os concessionários de praia, nomeadamente os da Figueira da Foz, tiveram um primeiro mês de época balnear positivo “em termos de segurança”,...

Porto da Figueira entra numa economia de base circular

O Porto da Figueira da Foz assumiu o compromisso de desenvolver acções que visam a promoção de práticas circulares ao assinar o...

Linha Oeste volta à estação da Figueira da Foz

Passados nove anos desde a última vez em que um comboio veio directamente da linha Oeste para a Figueira da Foz, a...

Figueira e resto do país com temperaturas elevadas até ao final da próxima semana

As temperaturas elevadas no país deverão continuar até à próxima sexta-feira, com os termómetros a atingirem os 35ºC no litoral e 40ºC...

Alunos podem candidatar-se a mestrados e doutoramentos sem terminar ciclo de estudos

Os alunos podem candidatar-se a ciclos de mestrado ou doutoramento sem terem concluído o ciclo de estudos anterior, segundo um diploma hoje aprovado...