Início Ambiente Incêndios: Época mais crítica termina com 65.000 hectares ardidos e morte de...

Incêndios: Época mais crítica termina com 65.000 hectares ardidos e morte de cinco bombeiros

A época mais crítica de incêndios florestais termina hoje com cerca de 65 mil hectares de área ardida e a morte de cinco bombeiros e de um piloto de um avião de combate aos fogos.

Nos últimos três meses, o dispositivo de combate aos fogos esteve na sua capacidade máxima ao estarem no terreno 11.825 operacionais, 2.746 equipas, 2.654 veículos e 60 meios aéreos, no denominado ‘reforçado – nível IV’.

A época mais crítica de incêndios fica marcada pela morte de cinco bombeiros das corporações de Oliveira de Frades (distrito de Viseu), Miranda do Corvo (Coimbra), Leiria, Proença-a-Nova (Castelo Branco) e Cuba (Beja) durante as operações de combate.

Durante o combate a um incêndio no Parque Nacional da Peneda-Gerês morreu um piloto após a queda de um avião Canadair.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, pediu à Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANPEC) a abertura de um inquérito sobre as circunstâncias das mortes, não existindo ainda conclusões.

O risco de incêndio foi este ano elevado o que levou o Governo a decretar por vários dias em Julho, Agosto e Setembro a situação de alerta especial para o Dispositivo Especial de Combate aos Incêndios Rurais (DECIR).

Apesar de não estar disponível o relatório com os dados actuais, os números provisórios divulgados na página da internet do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) dão conta de que se registaram este ano 8.980 incêndios florestais que provocaram cerca de 65 mil hectares de área ardida.

Comparando com o relatório de 30 de Setembro de 2019, verifica-se que se registaram este ano menos 1.379 ocorrências de fogos rurais, mas a área ardida aumentou cerca de 58%.

Depois da considerada época mais crítica terminar hoje, os meios de combate vão ser reduzidos na quinta-feira ao passar estar em vigor o nível de empenho operacional denominado “reforçado de nível III”, de acordo com a Directiva Operacional Nacional (DON), que estabelece o DECIR.

Durante a primeira quinzena de Outubro vão estar no terreno até 9.804 elementos de 2.277 equipas e até 2.154 veículos dos vários agentes presentes no terreno e até 60 meios aéreos.

A Rede Nacional de Postos de Vigia para prevenir e detetar incêndios vai continuar com os 230 postos de vigia até 15 de Outubro.

Na segunda quinzena de Outubro, a DON prevê uma nova redução dos meios de combate a incêndios.

Pub

Leia também

Câmara da Figueira da Foz diz que “clima de insegurança” em zona de bares “não pode continuar”

A Câmara Municipal da Figueira da Foz considera que “o clima de insegurança” numa zona de bares da cidade onde hoje de madrugada se...

PSP investiga tiroteio e agressões na madrugada de hoje na Figueira da Foz

A PSP da Figueira da Foz está a investigar um tiroteio, ocorrido na madrugada de hoje, cerca das 3 horas, na zona turística do...

“O planeta está a aquecer e a principal responsabilidade é nossa”, apela Carlos Fiolhais

O Instituto Superior de Engenharia de Coimbra promoveu esta semana uma palestra online sob o tema das alterações climáticas, integrada no ciclo de conferências...

Ilustrações de Marta Monteiro no CAE até Dezembro

A ilustração da artista plástica Marta Monteiro estará em exposição no Centro de Artes e Espectáculos até dia 12 de Dezembro, em mais uma...

“Onde nos levará a Genética?” – palestra Rotary

A investigadora figueirense Sílvia Curado vai estar em directo hoje, a partir de Nova Iorque, com o Rotary Club da Figueira da Foz, numa...