Início Ambiente Covid-19: Pandemia traduziu-se em “menor pressão” sobre o ambiente em 2020 –...

Covid-19: Pandemia traduziu-se em “menor pressão” sobre o ambiente em 2020 – INE

O ano de 2020 exerceu “menor pressão” no ambiente, com a pandemia de covid-19 a reduzir o uso de combustíveis fósseis e o consumo de energia, levando à melhoria da qualidade do ar, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Na edição de 2020 das Estatísticas do Ambiente hoje divulgada, o INE refere o impacto económico significativo da crise provocada pelo novo coronavírus, responsável por uma contracção do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,2% nos primeiros nove meses do ano, mas assinala uma diversidade de consequências positivas para o ambiente.

As emissões derivadas da queima de combustíveis fósseis desceram 21,9%, o consumo de electricidade e de gás natural caiu 3,8% e 9,4%, respectivamente, foram também gerados menos resíduos sectoriais (3,9% entre Janeiro e Junho) e o INE salienta ainda alterações de padrões de consumo das famílias entre Janeiro e Setembro, face ao período homólogo de 2019, com a descida do consumo de bens correntes não alimentares.

“A crise pandémica acabou por funcionar como um travão ao consumo, aliviando a pressão sobre o ambiente”, refere o documento, que não deixa de mencionar também um efeito conexo ao nível da reciclagem, uma vez que “as famílias tiveram uma preocupação acrescida com a separação do lixo”. Apesar do aumento de 4,7% dos resíduos urbanos, registou-se um crescimento de 12,9% na recolha selectiva por ecoponto.

A quebra acentuada na utilização dos transportes, resultante do confinamento e das restrições associadas ao combate à pandemia, foi também destacada, sobretudo no transporte aéreo, com uma quebra de 67,7% nos passageiros e de 55,9% no número de aviões em operação, bem como de 56,6% das emissões de dióxido de carbono (CO2).

No transporte marítimo, cujos dados vão apenas de Janeiro a Junho, a redução de passageiros foi de 56,5%, as mercadorias descarregadas caíram 14,4% e as emissões de CO2 baixaram 15,7%. Quanto ao transporte ferroviário, registaram-se menos 37,9% de passageiros por ferrovia pesada nos comboios e menos 45,4% nos passageiros de metro.

Na qualidade do ar, os números mais relevantes ocorreram na concentração média horária de dióxido de azoto, onde as estações urbanas de tráfego registaram uma redução de 26,6%, as estações urbanas de fundo assinalaram uma diminuição de 27,3% e as estações rurais 16,2%.

Entre outros indicadores analisados, o INE releva ainda outros fatores positivos para o ambiente, como a melhoria da qualidade das águas balneares, aumento do investimento em protecção ambiental nas empresas industriais e o facto de este ter sido o quarto ano desde 2001 com a menor área ardida.

Pub

Leia também

Figueira com Carnaval em Agosto

Dando continuidade ao programa de animação de verão, as marginais das praias de Buarcos e da Claridade, o Bairro Novo e a rua dos...

Figueira da Foz abre espaço de coworking no edifício do Quartel da Imagem

O Quartel da Imagem, na Figueira da Foz, antiga ‘casa’ dos bombeiros municipais reabilitada para actividades culturais, vai albergar um espaço de ‘coworking’ dirigido...

Oito novos casos nas últimas 24h

O concelho da Figueira da Foz registou oito casos de pessoas infectadas com covid-19 nas últimas 24h, permanecendo um total de 86 casos activos,...

Municípios avançam com Ciclovia do Mondego para ligar Coimbra à Figueira da Foz

Os municípios de Coimbra, Montemor-o-Velho e Figueira da Foz assinaram hoje um contracto para a Comunidade Intermunicipal avançar com a Ciclovia do Mondego, intervenção...

Estudo sobre transposição de areias na Figueira da Foz deve ser divulgado em Setembro

As conclusões do estudo sobre um sistema mecânico de transposição de areias na barra da Figueira da Foz deverão ser tornadas públicas em Setembro,...