Início Ambiente Covid-19: Pandemia traduziu-se em “menor pressão” sobre o ambiente em 2020 –...

Covid-19: Pandemia traduziu-se em “menor pressão” sobre o ambiente em 2020 – INE

O ano de 2020 exerceu “menor pressão” no ambiente, com a pandemia de covid-19 a reduzir o uso de combustíveis fósseis e o consumo de energia, levando à melhoria da qualidade do ar, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Na edição de 2020 das Estatísticas do Ambiente hoje divulgada, o INE refere o impacto económico significativo da crise provocada pelo novo coronavírus, responsável por uma contracção do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,2% nos primeiros nove meses do ano, mas assinala uma diversidade de consequências positivas para o ambiente.

As emissões derivadas da queima de combustíveis fósseis desceram 21,9%, o consumo de electricidade e de gás natural caiu 3,8% e 9,4%, respectivamente, foram também gerados menos resíduos sectoriais (3,9% entre Janeiro e Junho) e o INE salienta ainda alterações de padrões de consumo das famílias entre Janeiro e Setembro, face ao período homólogo de 2019, com a descida do consumo de bens correntes não alimentares.

“A crise pandémica acabou por funcionar como um travão ao consumo, aliviando a pressão sobre o ambiente”, refere o documento, que não deixa de mencionar também um efeito conexo ao nível da reciclagem, uma vez que “as famílias tiveram uma preocupação acrescida com a separação do lixo”. Apesar do aumento de 4,7% dos resíduos urbanos, registou-se um crescimento de 12,9% na recolha selectiva por ecoponto.

A quebra acentuada na utilização dos transportes, resultante do confinamento e das restrições associadas ao combate à pandemia, foi também destacada, sobretudo no transporte aéreo, com uma quebra de 67,7% nos passageiros e de 55,9% no número de aviões em operação, bem como de 56,6% das emissões de dióxido de carbono (CO2).

No transporte marítimo, cujos dados vão apenas de Janeiro a Junho, a redução de passageiros foi de 56,5%, as mercadorias descarregadas caíram 14,4% e as emissões de CO2 baixaram 15,7%. Quanto ao transporte ferroviário, registaram-se menos 37,9% de passageiros por ferrovia pesada nos comboios e menos 45,4% nos passageiros de metro.

Na qualidade do ar, os números mais relevantes ocorreram na concentração média horária de dióxido de azoto, onde as estações urbanas de tráfego registaram uma redução de 26,6%, as estações urbanas de fundo assinalaram uma diminuição de 27,3% e as estações rurais 16,2%.

Entre outros indicadores analisados, o INE releva ainda outros fatores positivos para o ambiente, como a melhoria da qualidade das águas balneares, aumento do investimento em protecção ambiental nas empresas industriais e o facto de este ter sido o quarto ano desde 2001 com a menor área ardida.

Pub

Leia também

Câmara da Figueira da Foz diz que “clima de insegurança” em zona de bares “não pode continuar”

A Câmara Municipal da Figueira da Foz considera que “o clima de insegurança” numa zona de bares da cidade onde hoje de madrugada se...

PSP investiga tiroteio e agressões na madrugada de hoje na Figueira da Foz

A PSP da Figueira da Foz está a investigar um tiroteio, ocorrido na madrugada de hoje, cerca das 3 horas, na zona turística do...

“O planeta está a aquecer e a principal responsabilidade é nossa”, apela Carlos Fiolhais

O Instituto Superior de Engenharia de Coimbra promoveu esta semana uma palestra online sob o tema das alterações climáticas, integrada no ciclo de conferências...

Ilustrações de Marta Monteiro no CAE até Dezembro

A ilustração da artista plástica Marta Monteiro estará em exposição no Centro de Artes e Espectáculos até dia 12 de Dezembro, em mais uma...

“Onde nos levará a Genética?” – palestra Rotary

A investigadora figueirense Sílvia Curado vai estar em directo hoje, a partir de Nova Iorque, com o Rotary Club da Figueira da Foz, numa...