Início Regional Vinte e cinco trabalhadores agrícolas sem ocupação face às cheias do Mondego

Vinte e cinco trabalhadores agrícolas sem ocupação face às cheias do Mondego

Vinte e cinco trabalhadores efectivos em empresas agrícolas do Baixo Mondego estão sem ocupação face às cheias que afectaram a região, afirmou hoje o presidente da Câmara de Soure, que pede apoios ao Governo para as empresas e funcionários.

Os 25 trabalhadores efectivos pertencem a empresas de Soure, Montemor-o-Velho e Coimbra, que estão sem poder trabalhar devido às inundações que afectaram o vale central do Baixo Mondego no final de Dezembro, disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Soure, Mário Jorge Nunes, que se reuniu esta semana com produtores agrícolas da região, em representação dos autarcas dos concelhos mais afectados.

A notícia tinha sido avançada na sexta-feira pelo jornal local Terras de Sicó, que falava em meia centena de trabalhadores agrícolas temporariamente sem ocupação face à área de produção ainda submersa no vale central.

Segundo Mário Jorge Nunes, as empresas afectadas estão sobretudo ligadas à horticultura intensiva, sendo que, além da perda de produção e a necessidade de recuperar o potencial produtivo, têm os trabalhadores parados.

De acordo com o autarca, será enviado um memorando para o Ministério do Trabalho e Segurança Social na segunda-feira a expor a situação e a requerer algum tipo de resposta para a situação.

Os empresários agrícolas defendem a possibilidade de accionar o ‘lay off’ (suspensão temporária do contrato de trabalho), a suspensão dos descontos para a Segurança Social e subsídio aos trabalhadores afectados, referiu.

Além dos trabalhadores efectivos, também haverá alguns trabalhadores temporários afectados pela paragem, notou.

Mário Jorge Nunes referiu ainda que a recuperação “está a correr bem”, mas depende muito das condições climáticas, que poderão atrasar ou antecipar o regresso aos campos inundados.

Os efeitos do mau tempo em Dezembro de 2019 provocaram três mortos e deixaram 144 pessoas desalojadas e outras 352 deslocadas por precaução, registando-se mais de 11.600 ocorrências, na maioria inundações e quedas de árvores.

O mau tempo, provocado pela depressão Elsa, entre os dias 18 e 20 de Dezembro de 2019, a que se juntou no dia 21 a depressão Fabien, provocou também condicionamentos na circulação rodoviária e ferroviária, bem como danos na rede eléctrica, afectando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.

Pub

Leia também

Covid-19: Doentes oncológicos do hospital da Figueira da Foz tratados em Coimbra por segurança

Três dezenas de doentes oncológicos do Hospital Distrital da Figueira da Foz (HDFF) estão a receber tratamento no Instituto Português de Oncologia...

Polícia Judiciária deteve suspeito de violar enteada na Figueira da Foz

Um homem de 33 anos foi detido pela Polícia Judiciária pela presumível prática de crimes de violação sobre uma menor de 16...

Não há doentes com Covid-19 internados no Hospital da Figueira

Os casos registados no concelho figueirense têm sido referidos nos vários órgãos da comunicação social com um número a aproximar-se das 34...

Covid-19: Escolas de surf do Cabedelo reabriram adaptadas à pandemia

As quatro escolas de surf instaladas na praia do Cabedelo, Figueira da Foz, tomaram medidas para lidar com a pandemia da covid-19,...

Polícia Marítima promete atenção especial a praias não vigiadas

O comandante-geral da Polícia Marítima (PM) revelou hoje que vai ser dada especial atenção às praias não vigiadas durante a época balnear,...