Início Nacional Uso da Internet para educação duplicou na pandemia e aumentaram compras online

Uso da Internet para educação duplicou na pandemia e aumentaram compras online

A percentagem de pessoas que utilizaram a Internet por motivos educacionais mais que duplicou durante a pandemia da covid-19, segundo dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que revelam também um aumento das compras online.

Apesar de os utilizadores continuarem, em 2020, a recorrer à Internet sobretudo para comunicar e aceder a informação, foi nas actividades relacionadas com a aprendizagem que se registou o maior aumento.

De acordo com os dados do INE, mais que duplicaram as proporções de utilizadores que comunicaram com professores ou colegas através dos portais educativos, passando de 14,5% em 2019 para 30,8% em 2020, e que frequentaram cursos online, 18,0% em comparação com os 7,7% do ano passado.

Os dados resultam do inquérito à utilização de tecnologias da informação e da comunicação pelas famílias, que apontam também para um aumento da percentagem de utilizadores de comércio electrónico.

Esta actividade registou o maior aumento desde 2002, com 44,5% dos inquiridos a fazerem encomendas online nos 12 meses anteriores à entrevista e 35,2% nos três meses anteriores, o que representa um aumento de cerca de sete pontos percentuais (p.p.) em relação a 2019.

“A quantidade de encomendas através de comércio electrónico aumentou significativamente: o grupo dos utilizadores que fizeram 3 a 5 encomendas aumentou 4,0 p.p., os que fizeram 6 a 10 encomendas aumentou 9,5 p.p. e os que fizeram mais de 10 encomendas aumentou 6,9 p.p.”, refere o INE, acrescentando que também o valor das compras aumentou.

De uma maneira geral, o número de utilizadores da Internet aumentou durante a pandemia e este ano 84,5% dos agregados familiares já tinha ligação à Internet em casa, sendo que 81,7% utilizam banda larga.

Este aumento, refere o INE, contraria a tendência de estabilidade dos resultados dos dois ano anteriores.

Por classes de rendimento, os agregados familiares com maiores rendimentos apresentam os maiores níveis de acesso à Internet (96,8%) e à banda larga (94,5%).

No outro extremo, o 1.º quintil (20% com menores rendimentos), apenas 66,9% têm acesso à Internet em casa e 62,4% através de banda larga.

O relatório do INE destaca ainda que entre os utilizadores empregados, 31,1% exerceram a sua profissão em tele-trabalho, sobretudo na Área Metropolitana de Lisboa onde esta proporção foi 43,2%.

Para a grande maioria destes trabalhadores (29,6% do total de utilizadores empregados), o trabalho em casa esteve associado à pandemia da covid-19.

Pub

Leia também

12 novos casos detectados nas últimas 24h

O concelho da Figueira da Foz registou 12 casos de pessoas infectadas com covid-19 nas últimas 24h, permanecendo um total de 84 casos activos,...

Bares e discotecas fechados até Outubro

Os bares e discotecas vão permanecer encerrados até Outubro, mês em que poderão reabrir para clientes com certificado de vacinação contra a covid-19 ou...

Utilização de máscara deixa de ser obrigatória na via pública em Setembro

A utilização de máscara na via pública deixará de ser obrigatória a partir de Setembro, excepto em situações de ajuntamentos, segundo o novo plano...

Animação com estátuas vivas espalhadas pela cidade

No âmbito da programação da Animação de Verão 2021, promovida pelo Município da Figueira da Foz, irão decorrer, entre os dias de hoje e...

Palestra Rotary sobre visão artificial nas empresas e na sociedade

"As novas tecnologias aplicadas na Visão Artificial e seu impacto nas empresas e na sociedade" é o tema que Sérgio Correia, engenheiro, CEO da...