Início Educação Covid-19: Universidade de Coimbra pondera não ter aulas presenciais até ao final...

Covid-19: Universidade de Coimbra pondera não ter aulas presenciais até ao final do ano lectivo

A Universidade de Coimbra já admite a possibilidade de não haver mais aulas presenciais até ao fim do ano lectivo, face à pandemia da covid-19, afirmou hoje o reitor da instituição, numa comunicação enviada ao corpo docente.

“Apelo a todas e a todos que não relaxem e não pensem que vamos voltar ao ensino presencial até ao final do corrente semestre. Não quero com isto dizer que essa hipótese está afastada, mas pode muito bem não haver condições para que tal aconteça”, afirmou o reitor da Universidade de Coimbra (UC), Amílcar Falcão, numa carta enviada ao corpo docente desta instituição de ensino superior a que a agência Lusa teve acesso.

Nessa mesma carta, o reitor afirma que a UC está a “preparar uma solução para a existência de um exame final escrito”, que deverá ser opcional e “que deverá valer apenas uma percentagem da classificação final”.

Considerando que este não é o momento para discutir se a logística montada pela equipa reitoral foi a melhor, Amílcar Falcão vinca que definiu “como prioridade absoluta” a necessidade de se terminar o actual ano lectivo “dentro da maior normalidade possível”.

“Os estudantes não devem ver o seu percurso académico prejudicado”, frisou, referindo que, apesar de o ensino presencial ter dimensões que o à distância não consegue alcançar, o corpo docente tem que “interiorizar” que vai ter que viver com aquilo que se tem.

“Quero por isso lembrar que não estamos de férias. A passagem de ensino presencial para ensino à distância não altera as nossas obrigações”, asseverou, sublinhando que foram dadas ferramentas para a preparação das aulas, um fórum na plataforma Nónio para diálogo com os alunos e uma “panóplia de soluções” para ser feita uma avaliação contínua.

Na mesma carta, o reitor da UC afirma ainda que “dar uma aula à distância não é colocar um ‘powerpoint’ no Nónio”, pedindo aos docentes para se colocarem “no lugar dos estudantes e dos pais”.

“Estamos a ser escrutinados e a informação que me chega dá conta de que, não obstante estar a ser feito muito e bom trabalho, temos espaço e condições para fazer ainda melhor. A reputação da UC tem de ser inatacável”, frisa Amílcar Falcão.

Questionada pela agência Lusa, a Universidade de Coimbra escusou-se a tecer mais comentários ou esclarecimentos, apenas referindo que tudo fará “para que o percurso académico dos seus estudantes não seja prejudicado”.

Pub

Leia também

Teresa Bonvalot sagra-se campeã nacional de surf

A surfista Teresa Bonvalot sagrou-se hoje campeã nacional, ao qualificar-se para a final do Allianz Ribeira Grande Pro, a quarta e penúltima etapa da...

Cidadão inglês detido na Figueira

Alistair Riggott, um predador sexual inglês, de 53 anos de idade, escondeu-se das autoridades britânicas em Portugal. Em Portugal, dormiu em hostels, mas foi...

Buarcos ganha marchas populares

O Grupo de Instrução e Sport (GIS), de Buarcos, venceu o concurso das Marchas Populares de S. João/2022. Em segundo lugar ficou a marcha...

Alunos da Escola Profissional em estágio na Irlanda

Seis alunos da Escola Profissional e do Instituto Tecnológico da Figueira da Foz partiram, a semana passada, para realizar estágios de formação nas cidades...

Sessão de Cinema “Campo de Sangue”, de João Mário Grilo

No dia 1 de Julho, pelas 21h30, o Centro de Artes e Espectáculos (CAE) apresenta no Auditório João César Monteiro, uma sessão de cinema...