Início Local Timor-Leste investe 11,8 milhões de euros em estaleiro naval na Figueira da...

Timor-Leste investe 11,8 milhões de euros em estaleiro naval na Figueira da Foz

Uma sociedade detida a 100% pela Região Administração Especial de Oecusse-Ambeno (RAEOA), em Timor-Leste, vai investir 11,8 milhões de euros na recapitalização de um estaleiro naval na Figueira da Foz, disse fonte do projecto.

Com o investimento de Timor-Leste nos Estaleiros Navais do Mondego (ENM), detidos pela AtlanticEagle Shipbuilding, esta empresa passa a ter dois sócios: a sociedade de desenvolvimento criada pela RAEOA, com 95% do capital e Bruno Costa, gerente único da Atlantic Eagle, com 5%.

Em declarações à agência Lusa, Bruno Costa disse que o investimento de 14 milhões de dólares (cerca de 11,8 milhões de euros) de Timor-Leste na capitalização da empresa detentora dos ENM “não é um investimento só para acabar o ferry e os pontões”.

Bruno Costa adiantou que a recapitalização da empresa “se prevê imediata” e que o investimento de Timor-Leste nos estaleiros pretende também “permitir uma formação de timorenses e transferência de conhecimento e tecnologia”.

Quanto ao navio, atracado ao cais dos estaleiros na margem esquerda do Mondego, em frente ao porto comercial da Figueira da Foz e decorado em tons de azul, verde e branco – atravessado, a todo o comprimento, por uma faixa vermelha e amarela, cores presentes na bandeira de Timor-Leste – está “praticamente inalterado em qualidade”, sublinhou Bruno Costa, estando cerca de 70% concluído.

“Faltam cerca de 30% em termos de trabalhos globais. Todos os equipamentos principais estão colocados dentro do navio, faltam os acabamentos, acomodações e concluir os sistemas de electricidade, automação e navegação”, frisou o gerente da AtlanticEagle Shipbuilding.

Bruno Costa, “apaixonado pela área naval”, é oriundo de uma família “ligada à construção naval há 80 anos”, na região de Aveiro, nos estaleiros de São Jacinto (encerrados em 2004) e na Naval Ria, atualmente propriedade da Martifer, antes de chegarem aos estaleiros do Mondego, em 2012, pela mão do pai, Carlos Costa (falecido em 2016) e outro sócio.

Quanto aos trabalhadores dos ENM, o gerente da AtlanticEagle Shipbuilding “quer manter a espinha dorsal do conhecimento que existia no Mondego e até em São Jacinto”.

“Grande parte dos actuais (dos estaleiros da Figueira da Foz) mantêm-se, os que estão há muitos anos e têm muito conhecimento. Em termos de quadros fixos, vamos contratar até 40 pessoas. Depois, de acordo com os picos de trabalho, como em qualquer estaleiro e consoante as necessidades, subcontratamos pessoal”, sustentou.

Os Estaleiros Navais do Mondego fazem reparações e construção naval em aço e alumínio, e Bruno Costa pretende “apostar muito no alumínio”.

“É uma aposta minha e Timor concorda. Somos o único estaleiro que constrói em alumínio em Portugal, é um material nobre na construção, queremos manter esse conhecimento e até exponenciá-lo”, afirmou.

Pub

Leia também

Portugal sem concelhos em risco extremo pela primeira vez em dois meses

Portugal deixou hoje de ter concelhos em risco extremo de infecção pelo vírus SARS-CoV-2, o que não ocorria desde o início de Julho, segundo...

Circuito Nacional de bodyboard na Praia do Cabedelo

O Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2021 vai ter a sua primeira etapa na Praia do Cabedelo já neste fim-de-semana, contando com a...

Cinco novos casos nas últimas 24h – Figueira com 142 casos activos

O concelho da Figueira da Foz registou cinco casos de pessoas infectadas com covid-19 nas últimas 24h, permanecendo um total de 142 casos activos,...

Chuva afecta produção de milho no Baixo-Mondego

A chuva intensa que atingiu o Baixo Mondego, na segunda-feira ao final da tarde, afectou uma “vasta área de produção de milho”, disse à...

Praias na Figueira da Foz vistoriadas após avistamento de tubarões

Várias praias na linha de costa da Figueira da Foz foram hoje vistoriadas pela Autoridade Marítima, devido ao avistamento de três tubarões, no domingo,...