Início Local Figueira da Foz aceitou competências na área da saúde para reforçar poder...

Figueira da Foz aceitou competências na área da saúde para reforçar poder negocial

O presidente da Câmara da Figueira da Foz disse hoje que aceitou a transferência de competências na área da saúde para não perder mais tempo, apesar do envelope financeiro ficar aquém das necessidades.

“Teremos mais autoridade moral para bater o pé e negociar (com o Governo) se demonstramos o nosso empenhamento nesta entrega de descentralização de competências”, referiu Pedro Santana Lopes, eleito pelo movimento Figueira a Primeira, afirmando compreender os autarcas da Comunidade Intermunicipal (CIM) da Região de Coimbra que contestaram os critérios subjacentes à transferência dos valores.

Salientando que as verbas a transferir não suportam as despesas quantificadas pelo município, o autarca frisou que a Câmara está a “trabalhar exemplarmente com as entidades de saúde e acho que isso nos dá autoridade para acreditar nas necessidades que não estão financeiramente cobertas”.

“Eu prefiro relevar o diálogo assim. É a minha maneira de trabalhar nos vários domínios, ser construtivo e cooperante, mas também se nos tirarem o tapete agiremos de outra maneira”, sublinhou.

O presidente da Câmara da Figueira da Foz considera que se trata de uma questão de “princípio e atitude, que são importantes nos processos negociais” e, acima de tudo, pela questão principal: “na prática as autarquias são chamadas a intervir e a investir a toda a hora”.

Aos jornalistas, Pedro Santana Lopes disse que pretendia “não perder nem um dia para não ficar com esse peso na consciência de dizer: vou prorrogar isto até resolver”.

“Quero ter as competências formais, senão estamos a agir em matéria que depois nem temos competência”, enfatizou o autarca, que pretender ter “tantos instrumentos quanto possível na mão para acorrer a isso, porque não me desculpo, nem quero desculpar com o Governo central”.

Na sessão de Câmara de hoje, a vereadora Olga Brás, responsável do sector da saúde e área social, garantiu que nenhumas das unidades de saúde do concelho vai encerrar portas e anunciou um reforço de oito novos médicos para os quadros dos centros de Saúde da Figueira da Foz.

A autarca reconheceu, no entanto, que a falta de secretários clínicos é o “grande constrangimento ao bom funcionamento dos Centros de Saúde” do concelho.

Segundo Olga Brás, na próxima quinta-feira, o município vai reunir-se com as juntas de Freguesia do concelho, o director do Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Mondego e a Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, para debater o processo da transferência de competências.

Pub

Leia também

Propostas de concessão dos casinos Estoril e Figueira da Foz estão em análise

As propostas para a concessão da exploração das zonas de jogo do Estoril e da Figueira da Foz foram hoje abertas e encontram-se, "neste...

Peça de Teatro “Eu Nunca Vi um Helicóptero Explodir” no CAE

O Grande Auditório do Centro de Artes e Espectáculos (CAE) vai ter em palco a peça de teatro “Eu Nunca Vi um Helicóptero Explodir”,...

Conversas com Saber – “As vertentes de uma abadia cisterciense”

No dia 8 de Outubro, pelas 15 horas, O Quartel de Imagem recebe a 15.ª edição da tertúlia "Conversas com Saber" com a temática...

Infectados com covid-19 deixam de cumprir isolamento

As pessoas infectadas com covid-19 vão deixar de cumprir isolamento e as máscaras mantêm-se obrigatórias em unidades de saúde e lares com o fim...

Clássica da Figueira é a novidade no calendário internacional de ciclismo para 2023

A Figueira Champions Classic, nova corrida de ciclismo de estrada na Figueira da Foz, agendada para 12 de Fevereiro, é a principal novidade no...