Início Internacional Empresa da Figueira da Foz exporta derivados da resina para os principais...

Empresa da Figueira da Foz exporta derivados da resina para os principais mercados europeus

A empresa de produtos de derivados de resina de pinheiro United Resins, instalada na Figueira da Foz, exporta praticamente toda a sua produção para os mercados mais desenvolvidos da União Europeia.

Quase 100 por cento da sua produção destina-se aos cinco principais mercados da União Europeia – Alemanha, Benelux, Suécia, França, Itália, “que são os mais desenvolvidos industrialmente”, salienta à agência Lusa o director executivo e presidente Mendes Ferreira.

Os dois por cento remanescentes são consumidos no mercado nacional em dois “pequenos clientes”, acrescenta o empresário.

A laborar desde o final de 2010, num espaço com 12 hectares, é uma das poucas empresas químicas nacionais que sintetiza derivados da resina de pinheiro, comercializando um conjunto de produtos sob a marca registada Unik.

“O nosso primeiro ano completo foi em 2011, portanto posso dizer que a United Resins não é uma filha da crise, mas foi gerada e nasceu num contexto absolutamente de crise a todos os níveis”, sublinhou Mendes Ferreira, engenheiro químico de formação.

Os derivados da resina produzidos pela empresa constituem a matéria-prima principal das tintas de impressão (livros, revistas, jornais), todo o tipo de adesivos, desde rotulagem a adesivos de termo-fusão, e colas de madeiras e sapatos, entre outras.

Entre o portefólio de produtos, estão também as substâncias para as tintas de marcação de estradas e pavimentos, pastilhas elásticas e ceras depilatórias para mulher.

Em 2019, a empresa apresentou um volume de facturação de 34 milhões de euros, transformando 25 mil toneladas de resina, que actualmente é comprada a 12 mil quilómetros de distância no Brasil e na Argentina, que nos últimos anos se tornaram grandes produtores.

“No primeiro ano de actividade [2011] facturámos 25 milhões de euros. Em Portugal, não há muitos exemplos de empresas que comecem e facturem logo no primeiro ano 25 milhões de euros, e se os valores da matéria-prima se mantivessem ao preço de 2011 estaríamos com um volume de negócios superior a 60 milhões de euros”, destaca Mendes Ferreira.

Nesse ano, explica o empresário, a matéria-prima atingiu um preço recorde de 3.500 dólares por tonelada.

“Para se ter a noção da volatilidade, hoje estamos na casa dos 850 dólares, que é o preço, mais ou menos, de há 12 anos. Portanto, a volatilidade nesta matéria foi elevada, foi digamos, exagerada, e foi muito promovida pela cartelização chinesa”, sublinha.

“Quando começámos a actividade importávamos exclusivamente da China, depois começámos a importar da Indonésia e passados 10 anos importamos quase exclusivamente do Brasil e da Argentina”, detalha Mendes Ferreira.

Além de estar “a 10 ou 12 mil quilómetros de distância, mudou-se do quadrante Este para Oeste, o que é uma coisa extraordinária em termos de experiência, que ninguém percebe isto, como é que uma empresa, um nicho de mercado do qual pouco se fala, consegue ter este tipo de experiência”, frisa.

Na década de 80 do século XX, Portugal foi o segundo maior produtor mundial de resina, com 150 mil toneladas, mas actualmente produz entre cinco a seis mil toneladas.

“Tínhamos cerca de 15 mil pessoas directa e indirectamente na nossa floresta e passámos para cerca de 500/600 actualmente”, observa o director executivo da United Resins.

Para o empresário, a quebra da produção nacional a partir da década de 1980 deveu-se ao abandono da floresta por parte das pessoas, que procuraram trabalho na construção de grandes infraestruturas realizadas a partir da segunda metade dessa década, através dos fundos estruturais a que Portugal teve acesso.

Mendes Ferreira não tem dúvidas de que “toda essa injecção de fundos da União Europeia levou a que as pessoas fizessem uma passagem das actividades agrícolas e florestais para a construção e produção de infraestruturas, que descaracterizou e despovoou completamente o interior e a área florestal”.

“Isso explica bem a mudança do tecido florestal a nível nacional e a propagação do eucalipto, que continua a ter uma aplicação industrial de forma mais ou menos protegida ou estimulada pelas grandes papeleiras que fazem a sua utilização, o que não aconteceu na fileira do pinheiro”, realça.

A floresta de eucalipto “é desabitada, pois a presença humana é muito reduzida, ao contrário da resinagem, que era uma actividade que obrigava a presença física e contínua das pessoas de pelo menos 10 meses por ano”.

A construção da United Resins, que emprega actualmente 60 trabalhadores [começou com 25], representou um investimento superior a 20 milhões de euros, tendo sido comparticipada pelo Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), que considerou o projecto um “caso de estudo no Programa Operacional do Centro”.

Pub

Leia também

Casino reabre com temas primaveris

O Casino Figueira reabriu sob a alçada da campanha “Primavera”, com o intuito de apostar numa comunicação informal, “colorida e sensorial”, traduzindo um ambiente...

Três novos casos nas últimas 24h

O concelho da Figueira da Foz registou hoje três novos casos de pessoas infectadas com covid-19, totalizando o número de casos registados desde Março...

Pesca da sardinha autorizada a partir de 17 de Maio

A pesca da sardinha reabre às 00h00 de 17 de Maio, segundo despacho ontem publicado, que levanta uma proibição com quase sete meses, com...

Figueira da Foz vai contar os seus azulejos

O município da Figueira da Foz tem em curso um levantamento do património de azulejos do concelho, através do reconhecimento e registo fotográfico para...

Transposição de areias para tratar erosão a sul da Figueira da Foz só em 2023

A transposição de três milhões de metros cúbicos de areia, de norte para sul do Mondego, na Figueira da Foz, só deverá começar em...