Início Local Conferência na Figueira da Foz debate ética na engenharia e combate à...

Conferência na Figueira da Foz debate ética na engenharia e combate à corrupção

O Instituto Superior de Engenharia de Coimbra (ISEC) inicia na quinta-feira, um ciclo de conferências, cuja primeira sessão é sobre “Ética e corrupção” na engenharia e tem como orador o ex-director da Polícia Judiciária (PJ) Santos Cabral.

“Ética e Corrupção” é o título da primeira sessão do ciclo de conferências “Engenharia e Sociedade” promovido pelo ISEC, que arranca na quinta-feira, no Casino da Figueira da Foz, pelas 18h.

Em discussão vai estar o papel das escolas de engenharia na formação ética de profissionais e na criação de plataformas que tornem os procedimentos mais transparentes.

Santos Cabral, juiz conselheiro jubilado e ex-director da Polícia Judiciária, defende que a engenharia “tem a chave para desenvolver mecanismos de prevenção e detecção de irregularidades”.

Citado no documento, Santos Cabral afirma que “a ética na engenharia é uma arma fundamental contra a corrupção”.

“A formação de quadros qualificados permite que o tecido empresarial tenha colaboradores com um forte conhecimento técnico em diferentes áreas. No entanto, para além de transmitir conhecimento teórico-prático, o ensino superior tem que começar a incluir ‘ética’ e ‘moral’ na formação que oferece aos estudantes”, refere o ex-director da PJ.

“Só assim é possível construir uma sociedade mais justa e fraterna, guiada pelos valores da justiça e equidade”, sustenta.

Segundo este responsável, a chave para diminuir os níveis de corrupção está muito dependente de dois factores, ambos ligados à engenharia: os valores éticos dos engenheiros e as suas capacidades técnicas para desenvolverem mecanismos de prevenção e detecção de irregularidades em áreas como a construção civil e obras públicas.

Santos Cabral sublinha que a corrupção é um dos problemas centrais de Portugal.

“Se não fosse a corrupção, podíamos ter um país muito diferente, muito mais próspero. Daí ser tão importante encontrar soluções para diminuir este flagelo”, conclui.

Já o presidente do ISEC defende que a engenharia pode ser uma forte ferramenta no combate à corrupção em mercados como o da construção, nomeadamente através do modelo BIM (a representação virtual de todo o ciclo de construção de um edifício).

“O BIM controla a obra do ponto de vista da qualidade, do prazo de entrega e dos custos. Desta forma, torna-se mais difícil ocultar e inflacionar despesas”, sustenta Mário Velindro.

Este responsável sublinha que a evolução tecnológica ligada à engenharia irá conduzir a uma redução progressiva da corrupção.

“A digitalização dos serviços na administração pública irá permitir uma verdadeira transparência em todas os negócios, ao saber-se com precisão quais as alterações realizadas nos serviços ou quem acedeu/alterou documentos, por exemplo”, conclui.

Pub

Leia também

Quatro casos registados nas últimas 24h

O concelho da Figueira da Foz registou quatro casos de pessoas infectadas com covid-19 nas últimas 24h, permanecendo um total de 78 casos activos,...

Dia da Defesa Nacional registou três positivos em mais de 42 mil jovens, sem surtos

Cerca de 42 mil jovens participaram entre Setembro de 2020 e Julho deste ano nas actividades do Dia da Defesa Nacional, registando-se apenas três...

Exposição de puzzles “100.000 peças para descobrir” na Feira do Livro

Este ano a Feira do Livro serve também de montra à exposição “100. 000 Peças para descobrir”, uma pequena parte de uma das maiores colecções...

Casino reabre com novos horários

A partir de amanhã, o Casino Figueira terá o horário de abertura às 15 horas, com admissão de clientes até à 1 e encerramento...

Fernandes Thomaz – 250 anos sobre o seu nascimento

Cumprem-se hoje, dia 31 de Julho, 250 anos sobre o nascimento do figueirense Manoel Fernandes Thomaz, protagonista da revolução liberal de 24 de Agosto...