Início Cultura Castelo de Buarcos gerido pelo município da Figueira da Foz durante 25...

Castelo de Buarcos gerido pelo município da Figueira da Foz durante 25 anos

Os proprietários das ruínas da Torre de Redondos, conhecida como castelo de Buarcos, vão assinar um contracto de comodato com o município da Figueira da Foz, que ficará com a gestão daquele monumento por 25 anos.

A proposta de contrato, que será presente à reunião da autarquia para aprovação, visa um projecto de recuperação e valorização do monumento do século XI – localizado no topo da vila piscatória de Buarcos, com vista para a praia e foz do rio Mondego e classificado como imóvel de interesse municipal – desenvolvido pelo anterior executivo camarário.

Em declarações à agência Lusa, Vítor Guedes, da família proprietária da Torre de Redondos e terreno circundante, afirmou que as ruínas do imóvel de arquitectura militar – que fizeram parte de um sistema de defesa da povoação na época medieval e chegaram, mais tarde, a estar na posse do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra – foram adquiridas em hasta pública, no século XIX, por um seu antepassado, José Joaquim Guedes, após a extinção das ordens religiosas em 1834.

“Sempre soube que era da minha família, mas a compra em hasta pública no século XIX não é, obviamente, da minha memória, nem era da do meu pai ou avô”, ambos já falecidos, frisou Vítor Guedes.

“Na família, nunca fizemos partilhas, está tudo indiviso. Isto vem antes do meu avô, o pai do meu avô (bisavô) também era José Joaquim Guedes e não tenho a certeza se já não vinha do pai dele”, acrescentou.

Vítor Guedes notou, por outro lado, que o terreno onde estão as ruínas do chamado castelo de Buarcos “era muito maior do que é” actualmente.

“As pessoas foram-se apropriando de terrenos que eram nossos, até a Câmara o fez, foram fazendo muros, alargando as estradas à volta e foi encolhendo o terreno”, disse.

Sobre o contracto de comodato que visa a cedência gratuita ao município, mais de 40 anos depois de um pedido de doação por parte da autarquia que não foi avante, Vítor Guedes concorda com a solução agora encontrada: “A Câmara tem um projecto cultural para aquilo e, de facto, não cabe aos privados fazer e também não estão vocacionados para isso. E se o município se propõe fazê-lo, não vejo qual é o inconveniente da colaboração com os privados, nesta medida”, argumentou.

“Até porque estamos a falar num prazo largo de tempo de 25 anos”, continuou Vítor Guedes, que é advogado e chegou a ser vereador camarário.

“Se os privados têm património onde o Estado ou as entidades públicas querem, de alguma forma, desenvolver projectos, não acho mal. Isto, aliás, estava tudo acertado com o executivo anterior, mas como foi ultimado muito em cima, já, do fim do mandato, passou para este executivo”, observou.

As ruínas da Torre de Redondos, o monumento mais antigo da freguesia de Buarcos e um dos mais antigos do concelho da Figueira da Foz, foram classificadas como de valor concelhio no início da década de 1970. Em 1978, o primeiro executivo camarário eleito depois do 25 de Abril fez aos proprietários um pedido de doação do terreno ao município, que não obteve resposta e viria a ser arquivado uns meses mais tarde, já em 1979.

Segundo informação constante na página de internet da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), a Torre de Redondos “é, na realidade, a ruína de uma fortaleza medieval, correspondendo a um maciço cunhal de uma torre de vigia”, e, embora o seu ano de edificação seja desconhecido, “datará certamente do século XI, uma vez que em 1096 foi feita a primeira referência a esta fortaleza, numa doação do Abade Pedro à Sé de Coimbra”.

A mesma publicação da DGPC refere que com o desenvolvimento de novas tipologias defensivas e a introdução das armas de fogo, “as atalaias medievais tornaram-se obsoletas, para além de serem alvos fáceis dos ataques corsários”.

Em 1570, iniciou-se a construção da Fortaleza de Buarcos, no sopé da vila, junto ao mar, cuja edificação se estendeu até ao século XVII, e a torre de Redondos foi “perdendo a sua importância estratégica e acabou por se arruinar”.

Em 1854, ainda segundo a DGPC, “o ministério das Obras Públicas ordenou a sua demolição, tendo sido poupado apenas o cunhal que hoje se encontra erigido, para ser utilizado como marca marítima e também para medições topográficas e geodésicas”.

A Torre de Redondos integrava uma lista de monumentos de valor concelhio constantes num decreto-lei publicado em 1996, classificação patrimonial que foi convertida para Imóvel de Interesse Municipal, de acordo com nova legislação, cinco anos mais tarde, em 2001.

Pub

Leia também

Magenta apresenta “Aqui há Natal #2” em exposição no CAE

Até ao final do mês, a Sala Zé Penicheiro do Centro de Artes e Espectáculos terá patente a exposição "Aqui há Natal #2", pela...

Passagem de ano na Figueira com música e fogo-de-artifício

Já se encontra definido o programa para as festividades da passagem de ano da Figueira da Foz. No palco que se situará na Avenida...

Natal acendeu luz

A Figueira já se iluminou para este Natal! Um ângulo da Rua da República.

CAE apresenta “Decisão de Partir” de Park Chan-wook

No próximo dia 9 de Dezembro, pelas 21h30, o Centro de Artes e Espectáculos apresenta uma sessão de cinema com o filme "Decisão de...

Bom tempo e “óptima disposição” para o corta-mato das Abadias

Foi ontem realizado o corta-mato (fase escola), dinamizado pelo Grupo de Educação Física da Escola Básica João de Barros, com alunos de todos os...