Início Local Câmara quer dragagem permanente do porto com meios do Estado

Câmara quer dragagem permanente do porto com meios do Estado

O presidente da Câmara da Figueira da Foz, Pedro Santana Lopes, disse hoje que o porto da cidade precisa de “dragagem permanente”, trabalho que na sua opinião deve ser assegurado pelo Estado com meios seus.

“O Estado não tem meios próprios para isso, o que é um contrassenso”, afirmou Pedro Santana Lopes à agência Lusa, a propósito de uma reunião realizada em Lisboa, hoje, com o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

Lembrando que a remoção de inertes do fundo dos portos portugueses é realizada por dragas alugadas a empresas privadas, o autarca da Figueira da Foz defendeu que as cidades deveriam dispor de meios públicos para fazerem esse trabalho.

Tal solução, salientou, passaria pela “repartição equilibrada” de encargos financeiros entre a administração central e os municípios onde existem portos.

Pedro Santana Lopes disse que sugeriu ao ministro Pedro Nuno Santos a criação de um sistema nacional de dragagem assente numa cogestão do Estado e das autarquias, com recurso a verbas do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

No porto da Figueira da Foz, no estuário do rio Mondego, verifica-se uma “situação gravíssima” que exige “uma manutenção permanente” para que a entrada dos navios na barra se processe sem problemas, acrescentou.

Outro assunto que o presidente da Câmara da Figueira da Foz discutiu com o ministro das Infraestruturas foi uma alegada subalternização da cidade, relativamente a Aveiro, quanto à administração do porto local.

“As quatro pessoas que integram o conselho de administração dos Portos de Aveiro e da Figueira da Foz são de Aveiro, onde passam a maior parte do tempo”, criticou.

Para Pedro Santana Lopes, “a Figueira não pode viver nesta situação de subalternização”, o que equivale a “uma coisa sem pés nem cabeça”.

“Cada vez que há algo, temos de telefonar e pedir que venham à Figueira da Foz”, lamentou.

Está em causa, designadamente, “a necessidade permanente de recorrer à draga”, alugada a privados, a qual “apenas pode trabalhar com ondas inferiores a dois metros”.

“Quando as dragas chegam, dois dias depois, já as ondas se alteraram e não permitem” efectuar a limpeza de inertes do estuário do Mondego, explicou o presidente da Câmara.

A empreitada de reabilitação da ponte Edgar Cardoso, que deverá arrancar este ano, foi igualmente debatida na reunião com Pedro Nuno Santos.

“Não temos nenhuma informação da Infraestruturas de Portugal sobre o início da obra, que vai durar dois anos”, afirmou Pedro Santana Lopes.

O autarca realçou ter sido “uma reunião de trabalho muito eficaz”, da qual a Câmara da Figueira da Foz espera ter “em breve consequências a vários níveis”, incluindo no capítulo das ligações ferroviárias.

Pub

Leia também

Homem em prisão preventiva após violar medidas de coacção

Um homem de 25 anos ficou em prisão preventiva após ter violado a sua medida de coacção em Agosto, afirmou o Ministério Público de...

Tiago Bettencourt apresenta espectáculo com Orquestra Clássica do Centro

O Centro de Artes e Espectáculos (CAE) vai dinamizar um concerto, dia 1 de Outubro, do músico Tiago Bettencourt com a Orquestra Clássica do...

Investigadores de Coimbra ‘preparam’ refeições à base de algas da Figueira da Foz

Algas existentes nos penedos da praia da Tamargueira, em Buarcos, estão na base de um projecto que inclui sopas, pratos salgados e sobremesas, coordenado...

Embarcação a duas milhas da Figueira pede auxílio

Dois tripulantes de embarcações salva-vidas auxiliaram hoje, de madrugada, uma embarcação de recreio “que se encontrava sem propulsão, nas imediações da entrada da barra...

“Casa Aberta” no Posto de Vacinação do Quartel

O Centro de Vacinação Covid-19, em funcionamento no Quartel da GNR, já se encontra de volta ao activo sob o regime de "Casa Aberta"....